Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O futuro do nosso mundo e sociedade no Festival Ars Electronica

O futuro do nosso mundo e sociedade no Festival Ars Electronica
Tamanho do texto Aa Aa

Quando um robô pisca e emite sons é chegado o momento de arte, arte eletrónica. O Festival Ars Electronica, na cidade austríaca de Linz, recebe artistas e cientistas que lidam com o futuro do nosso mundo e sociedade. Venha conhecer a edição de 2017.

Na série Light Barrier, uma equipa de artistas coreanos e britânicos criou hologramas no nevoeiro, estruturas tridimensionais que consistem apenas de luz.
Na performance premiada deste ano, contam uma história abstrata do círculo da vida, desde o nascimento até a morte e o renascimento.

Um artista da Coreia do Sul faz com que seja possível regressar ao útero . Através de pequenas colunas de som pressionadas contra o corpo, podemos sentir os sons daquilo que nos rodeia, uma experiência que o artista diz estar perto daquilo que um bebé ouve na barriga da mãe.

Às vezes, a máquina aprende com os seres humanos. Este órgão é funciona como um papagaio, ele tenta repetir os sons e frases do seu professor humano.

“A arte obriga-nos a pensar além das fronteiras. Questionar se, com a tecnologia que temos, é possível ir além daquilo que a indústria nos diz ou se podemos fazer outras coisas. A função da arte não é explicar-nos a tecnologia, mas uma das capacidades da arte é ajudar-nos a entender a importância e as consequências da tecnologia. E talvez isso ajude a que sejamos mais confiantes na forma como abordamos os desenvolvimentos tecnológicos,” afirmou o diretor artístico da Ars Electronica, Gerfried Stocker.

Isto lembra-nos que os robôs podem ser um perigo para a sociedade e para o mundo, como o computador renegado na série de filmes Terminator.

Mas também há robôs como este: com movimentos lentos cria formas a partir de cordas que atravessam a sala. O que deve lembrar-nos para, de vez em quando, não fazer nada.

Tradicionalmente, o festival Ars Electronica ocupa vários espaços na cidade de Linz. Um dos mais impressionantes é a Mariendom, a enorme catedral no centro da cidade. Este ano, acolheu uma performance imersiva de luz, videoarte e drones criados por dois artistas de Taiwan.

As imagens do espetáculo “L’Enfant” simbolizam a energia da edição de 2017 do Festival Ars Electronica.

Ficamos a aguardar pelo festival do próximo ano para nos mostrar o futuro do nosso mundo e sociedade através da arte de hoje.