Última hora

Última hora

Luanda autorizou 15 milhões de euros para procurar ouro só em setembro

Luanda autorizou 15 milhões de euros para procurar ouro só em setembro
Tamanho do texto Aa Aa

O Governo angolano autorizou um terceiro consórcio público-privado a procurar ouro no país, neste caso no sul de Angola, elevando a 15 milhões de euros o investimento aprovado para estas atividades, só no mês de setembro.

De acordo com uma recente autorização governamental, foi aprovado por despacho o projeto investimento mineiro Chipindo, de exploração de ouro numa área de 664 quilómetros quadrados, na província da Huíla.

Representa um investimento superior a 6,3 milhões de euros a realizar pela Lafech Mining Resources, em conjunto com a empresa concessionária estatal angolana Ferrangol.

Trata-se do terceiro contrato do género autorizado em setembro, pelo Ministério da Geologia e Minas, antes da posse do novo Presidente da República, João Lourenço, e do Governo.

Investimentos também em Cabinda

Antes desta concessão foram atribuídas outras duas, para a província de Cabinda, e ambas igualmente para prospeção de ouro.

A primeira, envolvendo a sociedade Mongo Mongo Mineração Limitada, participada pela estatal Ferroangol, Grupo Southwind Limitada e Sofispa, atribuindo os direitos para a prospeção de ouro num investimento superior a 3,5 milhões de euros.

Duas das empresas envolvidas nesta sociedade – a estatal Ferroangol e os privados da Sofispa – estão envolvidos numa segunda, a Lombe Mining Limitada, que, neste caso vai procurar ouro também do enclave de Cabinda, prevendo um investimento superior a 4,7 milhões de euros.

A extração de ouro já acontece em Cabinda, mas de forma artesanal e por vezes ilegal, o que levou à abertura, por parte do ministério da Geologia e Minas, de algumas lojas para a “captação” desse ouro.

A aposta neste subsetor mineiro motivou a criação, em maio de 2014, da Agência Reguladora do Mercado do Ouro de Angola.

Com Lusa