Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cerimónia real de cremação na Tailândia

Cerimónia real de cremação na Tailândia
Tamanho do texto Aa Aa

Ritos antigos e exéquias elaboradas deram início à cerimónia de cremação do rei Bhumibol Adulyadej, da Tailândia.

As ruas de Banguecoque encheram-se de milhares de tailandeses, cerca de 300 mil de acordo com as autoridades locais, que choram a morte, em outubro de 2016, do monarca de 88 anos de idade e setenta de reinado.

Durante um ano, o corpo esteve presente no Grande Palácio, agora foi o início do último adeus àquele a que muitos tailandeses chamavam “pai”, num culto de personalidade que lhe conferiu um estatuto para além do parental, quase divino, aliado a uma lei inflexível de lesa-majestade.

O cerimonial de cremação ocupa 5 dias, com rituais budistas e a procissão, ao longo de quilómetros, da urna usada desde o século XVIII, com quase 14 toneladas e sustentada por mais de 200 soldados.


Em 2011, a revista Forbes classificava o rei Bhumibol Adulyadej como o mais rico monarca do mundo. Agora, um orçamento superior a 75 milhões de euros cobre um funeral inédito no país.


Cabe ao novo rei, Maha Vajiralongkorn, filho único e sucessor natural, iniciar a cremação na próxima sexta-feira, no Crematório Real de 50 metros de altura, seguindo-se ainda mais dois dias de exéquias fúnebres.