Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Eurodeputados condenam assédio sexual no Parlamento Europeu

Eurodeputados condenam assédio sexual no Parlamento Europeu
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento Europeu aprovou esta quinta-feira a condenação de todas e quaisquer formas de violência sexual, lamentou a facilidade com que este tipo de assédio é por vezes tolerado e apelou à denúncia e à “tolerância zero” dentro da própria instituição.

A euronews falou com Edouard Martin, eurodeputado socialista francês cuja assessora já foi vítima de assédio e tem vindo a registar diversos casos do género para chamar a atenção para o que tem vindo a acontecer inclusive nos corredores da “sede” europeia.

“(Um dia) ela subiu ao escritório. Estava pálida e muito perturbada. Por isso, perguntei-lhe o que se passava e ela explicou-me que tinha sido encostada a uma parede e pressionada por um deputado, que lhe disse que ela era linda. Pretendia saber o nome dela, quem ela era e queria convida-la para um copo. Ela disse-me que já não era a primeira vez”, recordou o Edouard Martin.

Desde há três anos, sempre que alvo de um novo assédio ou ouve falar de algum caso similar, Jeanne Ponte regista-o num pequeno caderno.



A assistente de 27 anos do eurodeputado socialista espera convencer mais e mais vítimas a fazerem-se ouvir, embora reconheça que nem sempre é fácil pelo medo de perderem o em prego.

“Precisamos de perceber que algumas mulheres têm um contrato de trabalho e estão a lidar com assédio sexual ou mesmo violência sexual. Não é fácil levantarem-se e assumir que é preciso falar do assunto. Temos de criar um espaço integrado para que estas mulheres e estes homens possam falar”, defende Jeanne Ponte.

Uma resolução contra o assédio sexual nos corredores do Parlamento Europeu foi colocada a votação esta quinta-feira em Estrasburgo. A proposta foi aprovada com 580 votos a favor, 27 abstenções e… dez votos contra.