EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A Bélgica pode dar asilo político a Puigdemont?

A Bélgica pode dar asilo político a Puigdemont?
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A euronews falou com dois especialistas de direito europeu aplicado à migração e asilo

A União Europeia subentende qualquer Estado-membro como um “país de origem segura” a nível de direitos e liberdades fundamentais, mas a concessão de asilo a um cidadão de outro parceiro europeu, embora difícil, é possível mediante recurso ao Conselho Europeu em concordância com o artigo 7 do Tratado da União Europeia.

[ Consulte aqui o texto oficial do Tratado da União Europeia em português ]

Depois de o secretário de Estado belga para as Migrações e Asilo ter admitido domingo a eventual concessão de asilo político a Carles Puigdemont, parece que o presidente destituído do governo regional autonómico da Catalunha poderia ter uma porta aberta na Bélgica.

“Os catalães que se sintam politicamente ameaçados podem pedir asilo à Bélgica. O presidente Puigdemont enquadra-se nisto e é estritamente legal”, afirmou Theo Francken‏ ao canal televisito belga VRT News.

Pelo Twitter, o membro do executivo belga, também afeto ao partido independentista flamenco N-Va, reforçou: “O presidente catalão Puigdemont pode solicitar asilo político.”

Francken: “Catalaanse minister-president Puigdemont mag politiek asiel aanvragen” https://t.co/TLi1DS54Dh

— Theo Francken (@FranckenTheo) 29 de outubro de 2017

Para perceber se o pedido de asilo feito por um cidadão europeu a outro Estado membro pode encontrar sucesso, contactámos dois especialistas em direito europeu aplicado à migração e asilo.

Philipe De Bruycker, professor de Estudos Europeus na Universidade Livre de Bruxelas, presume “que o pedido de asilo [de um espanhol à Bélgica] não tenha fundamento porque estamos na presença de regimes democráticos no seio da União Europeia”.

“Em segundo lugar, se a Bélgica decidir analisar este pedido deve de imediato avisar o Conselho Europeu, mas essa será certamente uma decisão política com consequências muito pesadas”, avisa o também fundador do blogue Odysseus Nertwork, que reúne especialistas em migração e asilo na Europa.

Para aprofundar a explicação sobre a eventual abertura belga em conceder asilo ao ex-lider catalão, falámos também com Marc Pierini, da delegação europeia do centro americano de análise política Carnegie.

“A Bélgica é um estado federal com muitas diferenças e oposições entre as regiões. Talvez seja essa a explicação. Mas, no geral, o interesse dos governos europeus é evitar ao máximo a propagação de um exemplo”, afirmou o francês, antigo embaixador da UE na turquia, na Líbia e Tunísia, na Síria e em Marrocos.

Para a Bélgica dar asilo a Puigdemont, teria de, segundo o Tratado de Lisboa, “constatar a existência de um risco claro de violação grave” por parte de Espanha em relação aos direitos fundamentais garantidos pelo Tratado da União Europeia.

Entrevistas efetuadas por Nima Ghadakpour, em Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Catalunha: ministro do Território e da Sustentabilidade destituído desafia Madrid

Milhares de pessoas em Barcelona pela unidade

Espanha, ao minuto: Já se vota no parlamento da Catalunha