EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tribunal Constitucional anula independência da Catalunha

Tribunal Constitucional anula independência da Catalunha
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Decisão é consequência direta da decisão do Governo espanhol em ativar na região autónoma o artigo 155 da Constituição

PUBLICIDADE

O Tribunal Constitucional de Espanha (TCE) anulou de forma cautelar a declaração de independência da Catalunha aprovada a 27 de outubro no “Parlament” regional.

A anulação é consequência direta da decisão do governo nacional, horas após a proclamação no parlamento catalão, em ativar o artigo 155 da Constituição espanhola com o objetivo de restituir a legalidade na região autónoma da Catalunha.

El Tribunal Constitucional suspende la declaración de independencia aprobada por el Parlament de Cataluña https://t.co/4nlLHp8hWd

— El Mundo España (@ElMundoEspana) 31 de outubro de 2017

No acórdão jurídico, lê-se que “o pleno do Tribunal Constitucional acordou iniciar a tramitação do incidente de execução da sentencia formulada pelo Governo da Nação em relação às resoluções denominadas ‘Declaração os Representantes da Catalunha’ e ‘Processo constituinte’ aprovadas no passado dia 27 de outubro pelo Pleno do Parlamento da Catalunha.”

“De acordo com o recorrente, ambas as decisões violam a sentença que declarou a inconstitucionalidade e nulidade da Lei 19/2017 do referendo de autodeterminação (STC 114/2017) assim como a providência que suspendeu de forma cautelar a Lei 20/2017 da transitoriedade jurídica e funcional da república”, regista ainda o texto do TCE.

[ Texto do acordo Constitucional de suspensão cautelar da independência catalã ]

A pedido dos advogados do Estado, o Tribunal Constitucional aceitou notificar pessoalmente a presidente do parlamento catalão, Carme Forcadell, e os demais membros da mesa do hemiciclo regional.

O Constitucional espanhol advertiu ainda todos os implicados do “dever de impedir ou paralisar qualquer tentativa de ignorar a suspensão acordada” e trasladou “ao Ministério Fiscal e à Deputação Permanente do Parlamento da Catalunha as petições formuladas pelos advogados do Estado, concedendo-lhes vinte e quatro horas para que formulem as alegações que entendam oportunas.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha recusou autorização para escala a navio que transportava armas para Israel

Vitória socialista nas eleições catalãs põe fim ao domínio pró-independência

Um arquiteto juntou-se a 17 famílias e nasceu a primeira cooperativa de habitação em Madrid