Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Paradise Papers: Como os mais ricos fogem aos impostos

Paradise Papers: Como os mais ricos fogem aos impostos
Tamanho do texto Aa Aa

São 13,4 milhões de documentos que mostram as ligações de mais de 120 líderes mundiais e estrelas da música e do desporto com os paraísos fiscais.

Os “Paradise Papers” incluem nomes como a rainha Isabel II de Inglaterra que, segundo a BBC e o jornal The Guardian tem investimentos equivalentes a 13,8 milhões de euros nas Ilhas Caimão e nas Bermudas; o secretário do Comércio do governo de Donald Trump, Wilbur Ross, através das ações na companhia de navegação, Navigator; ou ainda estrelas como Bono ou Madona.

A investigação foi realizada pelo Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ), em parceria com o jornal alemão, Süddeutsche Zeitung e mais 94 órgãos de comunicação.

O jornalista do Süddeutsche Zeitung, Bastian Obermayer, diz que não é porque uma coisa é legal que se torna legítima ou moralmente correta. Estamos a olhar para isso. São milhões de milhões que estão a desparecer e deviam ir para os impostos”.

A análise dos documentos durou cerca de um ano e a maior parte das fugas tem origem nos registos do escritório de advogados Appleby e do provedor de serviços corporativos, Estera. A Appleby, fundada nas Bermudas tem escritórios tabém nas Ilhas Virgens Britânicas, nas Ilhas Caimão,em Hong Kong e em Xangai.

Entre as dezenas de milhares de clientes da Appleby, a maioria são norte-americanos, seguidos de britânicos, chineses ou canadidanos.