A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Liberdade na internet está em vias de extinção

Liberdade na internet está em vias de extinção
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As táticas de desinformação e a manipulação online desempenharam um papel importante nas eleições de 18 países, entre os quais se encontram os Estados Unidos. Quem o diz é a Freedom House no seu relatório sobre a liberdade na internet e as conclusões a que a Organização Não Governamental chegou são preocupantes.

Pelo sétimo ano consecutivo diminuiu a liberdade online e aumentou o número de governos que não hesita em utilizar as novas tecnologias para tentar manipular a opinião pública, uma tendência que se verifica desde que a Freedom House começou a estudar o fenómeno, em 2009.

Entre as principais técnicas utilizadas pelas autoridades encontram-se os sites de notícias falsas e a limitação no acesso à rede móvel e às aplicações de vídeo e redes sociais. Em 2017 verificou-se ainda um aumento no número de ataques informáticos.

O relatório abrangeu 65 países que acolhem 87% dos utilizadores mundiais da internet e quase metade piorou a sua classificação relativamente ao relatório anterior. Foram os casos de Brasil e Angola. A China foi o país que mais restringiu a liberdade na internet, Portugal ficou fora do estudo.