Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Entrevista: Peter Godwin, jornalista, fala no "fim de um ciclo" graças a Grace Mugabe

Entrevista: Peter Godwin, jornalista, fala no "fim de um ciclo" graças a Grace Mugabe
Tamanho do texto Aa Aa

Quase quatro décadas à frente dos destinos do Zimbuabué poderiam chegar ao fim para Mugagem, por causa de um erro estratégico. E quando ainda pouco se sabe acerca do futuro do país, muitos dizem que a queda de Mugabe poderia explicar-se pelos ambições da mulher, Grace.

Em entrevista à Euronews, Peter Godwin, jornalista que bem conhece o Zimbabué, país onde nasceu, diz que nem Robert nem Grace estão nas boas graças da opinião pública:






“Grace Mugabe não é nada popular e é até mesmo conhecida como Gucci Grace ou DesGraça e ainda Primeira Cliente (First Shopper) em vez de Primeira Dama”, explicou o jornalista à Euronews.

Grace Mugabe: Ambição e impopularidade

“As pessoas acham-na uma caça fortunas, uma arrivista. É realmente impopular. Mas ele também é muito impopular. Está no poder há trinta e sete anos. Todos estão fartos de Robert Mugabe”, continuou.

Para Peter Godwin, tal como para muitos analistas, a saída dos Mugabe é apenas uma questão de tempo e até mesmo, de dias:

Possível acolhimento na África do Sul

“Agora, penso que estão a decorrer negociações acerca da saída do poder. Acerca das condições. Poderá Mugabe permanecer no país? Terá de renunciar de forma formal? Ainda que seja óbvio que não o fará de livre vontade, claro”.

O jornalista conta que mesmo o destino de Mugabe deverá ser abordado nas conversações. Mas, acima de tudo, explica Peter Godwin, este é o fim de uma era:

“Deverá ir para a África do Sul? Há muita coisa ainda por decidir. Por exemplo, que e como será substituído. Com recurso a um Governo de transição ou de Unidade Nacional? Seja como for, é um ciclo que chega ao fim”.