Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cimeira UE - África debate empreendedorismo e migrações

Cimeira UE - África debate empreendedorismo e migrações
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia pretende engajar a União Africana na regulação dos movimentos migratórios em direção à Europa. Este um dos pontos em discussão na cimeira União Europeia – África que abre esta quarta-feira em Abidjan na Costa do Marfim.

O objetivo é criar condições para fixar as populações nos seus locais de origem e assim desenvolver a economia local.

Os estados europeus dividem-se entre aqueles como a Alemanha, a França e Portugal que preferem canais regulares de emigração e outros, nomeadamente no leste europeu, que não querem refugiados ou mesmo migrantes económicos.

“A maioria dos migrantes são jovens com pouca educação formal mas a África sub-sahariana é igualmente conhecida por ser uma das principais regiões do mundo em termos de jovens empreendedores, não apenas no comércio e serviços mas também no setor digital”, afirma Isabel Marques da Silva, enviada da euronews à cimeira.

A educação é um dos fatores essenciais para a fixação das populações assim como medidas de promoção do empreendedorismo que acabarão por criar postos de trabalho. A nova economia digital é uma das áreas que oferece mais potencial.

“Os espaços de trabalho colaborativo ou os espaços de inovação como os Fablabs podem constituir uma alavanca para o desenvolvimento ou para a criação de postos de trabalho na medida em que é nesses espaços que nascem projetos liderados por jovens em situação de inserção. Daí pode ser uma porta aberta para o mundo do emprego ou do auto-emprego”, afirma Guiado Obin, empresário marfinense.

Depois da Nigéria e da Guiné, a Costa do Marfim é o país com o maior número de migrantes que se lançam na travessia do Mediterrâneo. Este ano, pelo menos 8700 migrantes chegaram a Itália. A busca de soluções requer um esforço de colaboração.

“Por vezes, vemos o mesmo problema de duas perspetivas diferentes. Sejam as migrações, o clima, a energia, o desenvolvimento económico ou outras questões. Mas penso que ambos os lados chegaram à conclusão de que precisamos de enfrentar esta questão em conjunto. É assim que se criam parcerias e se encontram soluções conjuntas. É assim que se encontram soluções para os problemas” afirma a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

Migrações e agricultura são dois dos temas em destaque na cimeira União Europeia – África que abre esta quarta-feira.


Mais informação:

http://www.consilium.europa.eu/pt/meetings/international-summit/2017/11/29-30/