EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Os Rohingya só nas entrelinhas do discurso do Papa no Myanmar

Os Rohingya só nas entrelinhas do discurso do Papa no Myanmar
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reunido com Aung San Suu Kyi, o sumo pontífice apelou ao respeito dos direitos humanos e "de cada grupo étnico e da sua identidade".

PUBLICIDADE

O Papa Francisco prossegue a visita ao Myanmar com um apelo ao respeito dos direitos humanos no país, mas sem nunca pronunciar a palavra Rohingya.

O sumo pontífice reuniu-se esta terça-feira com o presidente birmanês, Htyn Lyaw e a líder do governo Aung San Suu Kyi na capital Naypyidaw. Um encontro à porta fechada seguido de uma declaração sobre a situação da minoria perseguida do país, resumida às entrelinhas:

"O futuro do Myanmar tem que passar pela paz, uma paz fundada no respeito pela dignidade e os direitos de cada membro da sociedade. No respeito de cada grupo étnico e da sua identidade. No respeito da lei do estado e da ordem democrática que permite a cada pessoa e a cada grupo, sem exclusões, oferecer a sua contribuição para o bem comum".

O Papa segue assim o conselho da igreja birmanesa de não ferir suscetibilidades num país onde os Rohingya não são considerados como cidadãos nacionais e onde os cristãos (1% da população) querem evitar quaisquer tensões adicionais com a maioria budista.

O sumo pontifice só deverá reunir-se com membros da comunidade perseguida quando visitar o vizinho Bangladesh na sexta-feira.

Desde Agosto, que a ofensiva militar do exército birmanês no estado de Rakhine, considerada uma "limpeza étnica" pela ONU e os EUA, levou mais de 600 mil refugiados Rohingya a cruzar a fronteira para o Bangladesh.

Um grupo de peritos da ONU pediu entretanto às autoridades birmanesas que detalhem os casos de violência contra mulheres Rohingya, o mais tardar até Maio do próximo ano, quando a ofensiva militar e os ataques de milícias budistas extremistas terão provocado mais de um milhar de mortos em quatro meses.

Partilhe esta notíciaComentários