Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Governo decreta estado de emergência nas Honduras

Governo decreta estado de emergência nas Honduras
Tamanho do texto Aa Aa

A oposição nas Honduras denuncia o que considera ser um "golpe de estado", depois do governo ter declarado o estado de emergência no país em plena tensão pós-eleitoral.

Desde a meia-noite de sexta-feira que os militares impuseram um recolher obrigatório das 18h às 6h da manhã em todo o território por um período de 10 dias.

A decisão foi anunciada após três jornadas de violentos protestos da oposição contra a possível reeleição do presidente cessante, denunciada como uma fraude eleitoral quando ainda não são conhecidos os resultados definitivos do escrutínio de há uma semana.

Segundo o porta-voz do exército, Alfredo Cerrato:

"O exército e a polícia nacional das Honduras, de forma prudente e no quadro da lei, apela à população para que mantenha a paz e a calma e que se mantenha tolerante face aos sentimentos de ódio e vingança ou face às divisões no seio da família hondurenha".

Quase uma semana depois do escrutínio, a comissão eleitoral ordenou uma recontagem dos votos quando os últimos resultados provisórios - com mais de 94% dos votos contados - dão a vitória ao presidente Juan Orlando Hernandéz por 42,92%, face aos 41,42% do rival, Salvador Narsralla.

O líder da oposição contestava já a candidatura de Hernandéz a um segundo mandato como ilegal à luz da Constituição, apesar de ter sido autorizada pelo Supremo Tribunal.

Esta manhã, nas redes sociais, Nasralla evocava uma situação, "equivalente a um golpe de Estado".

Tanto Nasralla como Hernandéz tinham já clamado vitória no início da semana, na ausência de resultados definitivos.

A comissão eleitoral tem um mês para declarar o vencedor do escrutínio.