Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Justiça espanhola liberta seis ex-conselheiros do governo catalão de Puigdemont

Justiça espanhola liberta seis ex-conselheiros do governo catalão de Puigdemont
Tamanho do texto Aa Aa

Seis ex-ministros regionais do governo catalão de Carles Puigdemont, detidos preventivamente por suspeitas dos delitos de rebelião, secessão e peculato, foram libertados, sob caução.

Raul Romeva, Carles Mundó, Dolores Bassa, Meritxell Borrás, Jordi Rull e Josep Turull tinham à sua espera na rua um grupo de pessoas que que gritava: "Não estão sozinhos".

O Supremo Tribunal espanhol decidiu manter em prisão preventiva o ex-vice-presidente, Oriol Junqueras, os dois dirigentes de organizações separatistas, Jordi Sánchez e Jordi Cuixart, assim como o ex-ministro regional Joaquin Forn.

A porta-voz da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), Marta Rovira, declara:

"Não encontramos nenhum argumento que justifique a decisão judicial de um ponto de vista jurídico. Por isso entendemos que foi tomada numa lógica política, porque estas quatro pessoas que continuam detidas estão a pagar o preço político do êxito do referendo de 1 de outubro".

As associações cívicas catalãs, Assembleia Nacional Catalã e Òmnium Cultural, que pagaram 100 mil euros de caução para cada um dos libertados, organizaram esta noite, por toda a Catalunha, concentrações para comemorar as libertações e protestar contra o prolongamento da detenção dos quatro outros independentistas.

Os libertados têm a obrigação de se apresentarem semanalmente ao tribunal e, apesar de serem candidatos, nenhum deles pode participar na campanha eleitoral para a eleição regional de 21 de dezembro, que começou esta noite.