Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Parlamento romeno aprova dois polémicos projetos de lei

Parlamento romeno aprova dois polémicos projetos de lei
Tamanho do texto Aa Aa

A câmara baixa do parlamento romeno adotou dois polémicos projetos de lei que poderiam limitar a independência da Justiça e debilitar a luta contra a corrupção.

Ambos projetos foram adotados pela Câmara com 177 votos a favor e 79 contra e deverão agora passar pelo Senado.

O parlamento romeno encontra-se dominado pelos sociais-democratas. A oposição denuncia o que define como uma tentativa para proteger os interesses da maioria e do Governo.

Desde há semanas que milhares de romenos se concentram todos os domingos para exigir que o Governo desista dos projetos de lei. Os protestos receberam o apoio da Comissão Europeia e dos Estados Unidos. Tanto a UE como os EUA criticaram os planos do Executivo.

A Divisão de Luta Contra a Corrupção (DNA, sigla em romeno) deverá assim perder poderes, como a possibilidade de questionar a atividade dos magistrados.

Manifestações sem precedentes desde 1989

Florin Iordache, deputado do PSD e antigo ministro da Justiça, assegurou aos jornalistas que o Executivo procura "uma Justiça independente", o que não convence a oposição. Para o deputado Stelian Ion, da oposição de centro-direita, o objetivo é "subordinar a Justiça."

Florin Iordache foi o responsável por um primeiro projeto de lei, cujo objetivo era reduzir as penas previstas no Código Penal romeno. A medida provocou manifestações sem precedentes na Roménia desde a queda do sistema comunista, em 1989.

Na segunda-feira, foi adotado um primeiro projeto de lei que intensifica o controlo da parte do ministério da Justiça sobre os Procutadores. O mesmo diploma prevê que o Estado pode dar início a uma ação legal contra os magistrados que tenham, de forma clara, atuado de "má fé" ou "com negligência".

O Procurador-Geral da Roménia, Augustin Lazar, denunciou o que definiu como "graves violações dos princípios fundamentais do Estado de Direito".

Os deputados romenos adotaram ainda um projeto de lei que limita sanções contra os representantes eleitos e funcionários públicos em situações de conflitos de interesses.

O Grupo de Estados Contra a Corrupção, GRECO, órgão do Conselho da Europa, disse que são necessárias "avaliações urgentes" acerca da nova legislação relativa ao poder judicial, tanto na Roménia como na Polónia.