Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ritmos da lusofonia no Visa For Music em Marrocos

Ritmos da lusofonia no Visa For Music em Marrocos
Tamanho do texto Aa Aa

Angola, Cabo Verde e Portugal representaram este ano a lusofonia, em Marrocos, na quarta edição do festival internacional Visa for Music. Este é um encontro da apelidada “indústria” africana da música e serve para artistas de vários quadrantes e ritmos apresentarem o trabalho a agentes e promotores.

O projeto Cordel, do lisboeta João Pires e do portuense Márcio Silva, representou Portugal.

Cabo Verde fez-se ouvir em Rabat pela voz, o funaná e o batuque de Elida Almeida, presentes igualmente em “Lusafrica”, o álbum de estreia lançado em 2015 pela cabo-verdiana, já a promover um novo trabalho, “Kebrando.”

Angola esteve representada no Visa for Music pelo DJ Lutonda, conhecido produtor de projetos Kuduro como Tony Amado ou Makina do Inferno. O angolano assume um saldo positivo após a atuação em Marrocos.

Mais uma vez, a euronews também esteve presente em Rabat e demos voz a alguns dos projetos africanos presentes este ano no festival. Entre eles, os The Messengers of Messages.

A missão destes “mensageiros” pan-africanos é a de propagar pelo continente uma mensagem de paz, união, perdão e reconciliação inspirada em Nelson Mandela.

“O que nós procuramos é garantir a nossa colaboração e termos um veículo que nos permita viajar pelo mundo a espalhar a nossa mensagem”, explicou à euronews o líder do grupo, Prince H. Malatsi.

Já famoso pela Europa, o guineense Sékou Kouyaté também passou este ano pelo Visa For Music tentando mostrar aos agentes africanos a razão do sucesso europeu.

A dona da editora One World Music, Carolina Vallejo ficou contente pelo “feedback” recebido após a atuação de Sékou Kouyaté. “Correu muito bem. Houve muita gente a assistir e recebemos convites para muitos festivais e digressões”, revelou a agente do guineense.

Em Rabat, pudemos conhecer também o congolês Francky Kanza, num momento descontraído em que improvisou com a marfinense Seham Dominick e as marroquinas Omor Ramzi e Manal Cherki.

“Andamos à procura de produtores, promotores e de verdadeiros agentes com capacidade de nos colocar em grandes palcos”, afirmou Kanza à nossa reportagem.

A prestação dos espanhóis Doctor Prats revelou-se surpreendente. A fusão de estilos latinos faz dos concertos deste emergente projeto catalão uma festa.

Já atuaram inclusive no Japão e agora estrearam-se num novo continente.

“Esta foi uma oportunidade de tocarmos em África. Foi a nossa primeira vez. Sabíamos que havia aqui muita gente influente. Talvez venhamos a conseguir marcar mais alguns concertos em África depois desta atuação. Vamos ver o que o futuro nos reserva”, perspetivou Miki Santamaria, dos Doctor Prats.

A AgadirLive é uma editora e promotora de projetos da costa sudoeste de Marrocos e este ano beneficiou de um espaço privilegiado para pequenos concertos promocionais no Visa for Music.

“Fizemos muitos negócios. Alguns agentes vão trabalhar connosco e garantimos algumas colaborações. Antes de nos irmos embora, vamos gravar também com alguns artistas locais”, contou-nos o produtor e agente da AgadirLive, Gareth Messam.

Oriundos do Zimbabué e já com uma vasta experiência internacional, os Mokoomba lançaram este ano “Luyando.”

Após uma digressão de outono pelo centro da Europa, os Mokooma estiveram em Rabat para o promover o novo álbum também neste mercado africano.

Já uma estrela em Marrocos, o “rapper” Mobydick pretende exportar o seu trabalho e garante que o facto de se expressar em darija, o dialeto árabe marroquino, não será problema.

“Nós, marroquinos, também não compreendemos certos idiomas mas conseguimos sentir a força dos artistas. Comigo é igual. Quando atuo para estrangeiros, as pessoas percebem que tenho algo a dizer e a representar. E que isto é bem feito”, disse Mobydick.

O enviado especial da euronews a Rabat lamenta que “a maioria dos países de África e do Médio Oriente têm surgido nas notícias devido a guerras, violência e miséria”, mas sublinha que “também há valores culturais a partilhar” a partir destes mesmos países.

“O Visa For Music é perfeito para os artistas fazerem contactos para conseguirem viajar pelo mundo e mostrar uma outra faceta dos seus países”, conclui o jornalista Wolfgang Spindler.