Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Abbas e Macron criticam posição de Trump sobre Jerusalém

Abbas e Macron criticam posição de Trump sobre Jerusalém
Direitos de autor
REUTERS/Francois Mori
Tamanho do texto Aa Aa

Os presidentes francês, Emmanuel Macron, e da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, criticaram o reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel, considerando respetivamente que Washington está isolado e que ficou desacreditado.

"Os norte-americanos estão marginalizados (no dossier), eu tento não fazer o mesmo", declarou Macron, numa conferência de imprensa com Abbas, no final de um encontro em Paris, adiantando que por não querer fazer o mesmo não ia reconhecer unilateralmente um Estado palestiniano.

Abbas declarou que não aceitará "qualquer plano" de paz para o conflito israelo-palestiniano da parte dos Estados Unidos "devido ao espírito partidário (da decisão norte-americana)" e do facto de ela constituir uma "violação do direito internacional".

Com a decisão do Presidente Donald Trump sobre Jerusalém, "os Estados Unidos desqualificaram-se a si próprios" e "já não são um mediador honesto no processo de paz", considerou o presidente da Autoridade Palestiniana.

Para o Presidente francês, "decidir unilateralmente reconhecer a Palestina" não seria eficaz. "Seria uma reação" à decisão norte-americana "que provocou agitação na região".

Macron, que se deslocará à região em 2018, lembrou a posição francesa de que "não há alternativa à solução dos dois Estados e não há solução sem acordo entre as partes sobre Jerusalém".

A decisão norte-americana divulgada a 6 de dezembro provocou fortes reações internacionais.

Na quinta-feira, o reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel foi declarado "nulo e sem efeito" por 128 países-membros da Assembleia-geral da ONU numa votação que decorreu na sede das Nações Unidas.

Entre os 193 países-membros da ONU, nove votaram contra a resolução, sem caráter vinculativo, e 35 optaram pela abstenção.