Última hora

Há mais pessoas com fome no mundo

Há mais pessoas com fome no mundo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em queda ao longo de mais de uma década, a fome está de novo a ganhar terreno. A culpa é das alterações climáticas e da proliferação de conflitos. Pelo menos é o que revela o mais recente relatório das Nações Unidas sobre segurança alimentar.

Em 2016, afetou mais de 800 milhões de pessoas, o que equivale a cerca de 11 por cento da população. No espaço de um ano, a fome atingiu mais 38 milhões de pessoas. Entre elas estão, por exemplo, os refugiados de etnia rohingya, uma das minorias mais perseguidas no mundo.

“Em 2017, o Programa Mundial Alimentar das Nações Unidas teve de dar resposta a um número de situações de emergência sem precedentes, essencialmente, causadas por conflitos ou por questões políticas não resolvidas" Ramiro Lopez da Silva, da WFP.

O documento revela que cerca de metade dos mais 800 milhões de pessoas com fome no mundo, vivem em zonas de conflito como é o caso da Síria. Só no leste de Alepo, o Programa Mundial Alimentar das Nações Unidas presta ajuda a 3.500 famílias.

Na Síria, tal como noutros países em guerra, cerca de 155 milhões de crianças, com menos de cinco anos, registam atrasos de crescimento.

De acordo com o documento é na Ásia que mais pessoas passam fome. África aparece em segundo lugar. Segue-se a América Latina e as Caraíbas.

O relatório é publicado por três agências da ONU: a Organização para a Alimentação e Agricultura, o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola e o Programa Mundial Alimentar, a que se juntaram pela primeira vez a UNICEF e a Organização Mundial de Saúde.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.