Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mossul continua a pedir ajuda

Mossul continua a pedir ajuda
Tamanho do texto Aa Aa

Ao longo de sete quilómetros nas margens do Tigre, praticamente não há edifício que tenha ficado incólume a três anos de guerra contra o grupo Estado Islâmico em Mossul. A vitória pode não ter um preço mas a reconstrução sim, e se o governo iraquiano estima o custo total de recuperação do país em 100 mil milhões de dólares, as autoridades locais garantem que só isso custará a recuperação da cidade que em tempos albergou dois milhões de habitantes. Em Mossul continua a pedir-se ajuda.

Para Abdulsattar Al-Alhabow, diretor no município de Mossul e conselheiro para a reconstrução da província de Nineveth "o governo dos Estados Unidos devia ser o primeiro a contribuir no processo de reconstrução porque representa a maior potência do mundo" e de qualquer foram foram os norte-americanos que "permitiram que terroristas de todo o mundo viessem para Mossul e como resultado, destruíram uma das cidades mais antigas do Médio Oriente.

Existe um longo caminho a percorrer até ao regresso da normalidade, Abdulsattar Al-Alhabow avisa ainda a comunidade internacional que é preciso devolver vida à cidade, caso contrário estarão criadas as condições para o nascimento de um terrorismo pior que o Daesh.