EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Multidões à porta dos supermercados na Venezuela

Multidões à porta dos supermercados na Venezuela
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois de um anúncio oficial da ordem para baixar os preços dos produtos nos supermercados, os venezuelanos acorreram em massa às portas dos retalhistas. Ausência de produtos de primeira necessidade e fome iminente continua, porém, a ser a realidade no país.

PUBLICIDADE

Filas e filas de venezuelanos às portas dos supermercados de Caracas este sábado, depois do governo de Nicolás Maduro ter ordenado o corte dos preços mantidos pelos retalhistas. 

Com a Venezuela numa crise económica que ameaça com fome nacional, a decisão correu rápida e atingiu produtos como manteiga, sabão, queijo fundido, algumas bebidas alcoólicas e esparguete importado.

Maria Claros, moradora em Caracas, dizia, enquanto esperava: "Percebemos que as cadeias de supermercados tenham o direito de aumentar os preços porque são relativos, mas não de modo exorbitante como 300%. Deve haver um pouco de controlo, se houver talvez possamos comprar algumas coisas."

Contudo, as prateleiras estão vazias de produtos alimentares de primeira necessidade e grande parte dos venezuelanos não conseguiu comprar o que fosse apesar das horas de espera. Os pedidos de explicação, face a supermercados que permaneceram fechados ou que impossibilitaram as compras por não terem sido informados sobre quais os produtos atingidos pela decisão da Superintendência Nacional para a Defesa Socioeconómica, assumiram em alguns casos a raia do desespero.

Maduro anunciou no discurso televisionado da passagem de ano o aumento em 40 por cento do salário mínimo a partir de Janeiro, o que se traduz em menos de seis euros no mercado negro.

Carmen de Rodriguez, também moradora em Caracas e também há horas numa fila, desabafava: "Chegámos cedo, mas não conseguimos entrar. Os preços eram muito mais baixos ontem à noite, mas hoje já não. São preços ridículos, muito elevados comparado com o vencimento dos venezuelanos, quer dizer, da maioria dos venezuelanos."

Ainda esta sexta feira, e para fazer face às sanções dos Estados Unidos a quem Maduro acusa de levarem a cabo uma guerra económica contra o socialismo, o governo venezuelano anunciou a emissão de 100 milhões de unidades do petro, a nova criptomoeda indexada ao petróleo venezuelano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Venezuela desqualifica candidata presidencial da oposição María Corina Machado

Espanha acolhe requerentes de asilo da América Latina para aliviar fluxo migratório para os EUA

Guiana: Presidente venezuelano assume controlo da exploração de crude e gás da região de Essequibo