EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Trump desmente ter usado expressão grosseira

Trump desmente ter usado expressão grosseira
Direitos de autor REUTERS/Jonathan Ernst/Arquivo
Direitos de autor REUTERS/Jonathan Ernst/Arquivo
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Alegadamente, Trump usou a expressão "shit hole" (buracos de merda) para se referir a vários países de terceiro mundo

PUBLICIDADE

Donald Trump desmentiu no Twitter ter usado a expressão "shit hole" (buracos de merda) ao referir-se a algumas nações mas admite ter usado uma linguagem dura durante uma reunião com senadores norte-americanos a propósito de um novo diploma sobre política migratória.

A linguagem brejeira foi noticiada por vários meios de comunicação, incluindo o Washington Post. Trump acrescentou que mau é mesmo o projeto de lei migratório que lhe apresentaram e que segundo o qual seriam concedidos vistos a alguns cidadãos de países recentemente retirados do Estatuto de Proteção Temporária (TPS, na sigla em inglês), como El Salvador, Haiti, Nicarágua e Sudão.

Raj Shah, porta-voz da Casa Branca, defendeu Donald Trump. Num comunicado lê-se: "Certos políticos de Washington escolhem lutar por nações estrangeiras, mas o Presidente Trump sempre lutará pelo povo norte-americano".

A política de imigração de Donald Trump tem sido alvo de contestação.

A expressão "shit hole" causou indignação tanto nos Estados Unidos como no estrangeiro, para lá dos países em questão.

Entre os vários exemplos está a reação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos que qualificou o presidente norte-americano de racista.

Já o ex-presidente do México, Vicente Fox, foi mais longe e afirmou que a boca de Trump está cheia daquilo que disse sobre as referidas nações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

U2 agradecem a "países de merda" o "sonho americano"

Nações Unidas dizem que palavras de Trump são "racistas"

"Um grande gesto de um grande presidente". Líderes europeus reagem à desistência de Biden