Última hora

Nações Unidas dizem que palavras de Trump são "racistas"

Nações Unidas dizem que palavras de Trump são "racistas"
Tamanho do texto Aa Aa

As Nações Unidas repudiaram esta sexta-feira as palavras do presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, sobre o Haiti, El Salvador e outros países africanos, considerando-as "racistas".

Numa reunião do líder norte-americano na Casa Branca com deputados do Partido Republicano e do Partido Democrata, a propósito de um projeto de lei sobre imigração que iria dar vistos a cidadãos de países retirados do TPS, o Estatuto de Proteção Temporária, o chefe de estado mostrou-se irritado com a possibilidade de acolher mais imigrantes desses países, rotulando-os de "países de merda".

Trump questionou mesmo porque é que os EUA não recebiam antes mais imigrantes de nações como a Noruega, depois de se ter encontrado na véspera com a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg.

"Não há outra palavra que se possa usar sem ser a palavra 'racista'", afirmou o porta-voz dos direitos humanos da ONU, Rupert Colville, em Genebra, acrescentando: "Não se pode denegrir países e continentes inteiros como "países de merda", cujas populações, que não sendo brancas, não são, portanto, bem-vindas".

Na segunda-feira, o governo norte-americano anunciou o fim do Estatuto de Proteção Temporária, um programa especial que evita a deportação, para cerca de 200 mil imigrantes salvadorenhos.

Sem confirmar ou desmentir a expressão países de merda, Shah Raj, um dos porta-vozes da Casa Branca, limitou-se adizer que "Certos políticos de Washington escolhem lutar por países estrangeiros, mas que o Presidente Trump irá sempre lutar pelo povo americano".

As palavras estão a gerar ondas de choque sobre Trump. De acordo com a imprensa americana, deputados dos dois partidos mostraram-se surpreendidos e chocados pelo comentário do presidente.

No entanto, o desagrado chegou também aos imigrantes dos países criticados por Donald Trump, que já se tinham manifestado esta semana diante da Casa Branca.

Esta já não é a primeira vez que o líder dos Estados Unidos cria polémica por causa das suas opiniões sobre a imigração. No passado, Trump questionou a origem do seu antecessor, Barack Obama, rotulou os mexicanos de violadores e criminosos e chegou a bloquear a entrada de muçulmanos de diversos países.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.