EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Portugal domina correspondência em Angola, China e Singapura as compras online

Imagem de arquivo
Imagem de arquivo
Direitos de autor 
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Correspondência de e para território português representa 60% do volume, enquanto o mercado asiático é o preferido pelos internautas, indicou a empresa de correios angolana

PUBLICIDADE

Portugal é o maior destino e origem de correspondência em Angola, representando quase 60% do total, sendo a China e Singapura os países originários de grande parte das compras pela Internet, indicou a empresa de correios angolana.

A informação foi anunciada pelo diretor de operações dos Correios de Angola, Joaquim Madrugas, durante um encontro com a imprensa, na sede da empresa estatal, em Luanda.

"Portugal é o país com maior fluxo em termos de correspondência para Angola e vice-versa, entre documentações e pequenas encomendas. Estamos a falar em cerca de 60% das correspondências que acompanhamos entre ambos os países", disse.

Segundo o responsável, dois países asiáticos lideram entre a origem do comércio eletrónico em Angola.

"Pela Internet, a maior parte das pessoas compra na China e Singapura. Devemos também realçar aqui que está em crescimento no país o serviço de compras pela Internet", acrescentou.

Questionado sobre o volume e o tipo de reclamações que a instituição recebe por parte dos clientes, Joaquim Madrugas reconheceu o maior número de queixas da parte dos angolanos refere-se aos atrasos na distribuição.

"Nós temos um volume de reclamações por mês, mas estas reclamações normalmente temos suprido porque acontece mais com mercadorias, que ficam em estanques no ponto de trânsito, em que leva algum tempo para ser despachado cá", explicou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Já entrou em vigor a supressão de vistos entre Angola e Moçambique

Turquia corta relações comerciais com Israel até que haja um cessar-fogo em Gaza

Rebeldes Houthi reivindicam ataque a navio no Golfo de Áden