Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ataques aéreos em Ghouta fazem quase 100 mortos

Ataques aéreos em Ghouta fazem quase 100 mortos
Tamanho do texto Aa Aa

Os ataques aéreos do Governo sírio e dos seus aliados sobre o enclave rebelde de Ghouta, perto da capital Damasco, provocaram pelo menos 94 mortos e 325 feridos nas últimas 24 horas.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), os bombardeamentos aéreos e da artilharia estão a deixar a situação humanitária da região fora de controlo. Entre as vítimas contam-se já 20 crianças e a assistência às populações é cada vez mais débil.

A região de Ghouta, onde vivem cerca de 400 mil pessoas, está sitiada pelas forças leais ao presidente Bashar Al Assad desde 2013.

A Coligação Nacional Síria, com sede na Turquia, a principal formação da oposição no exílio, denunciou, num comunicado, uma "guerra de extermínio" que é levada a cabo no leste de Ghouta, bem como o "silêncio internacional" contra "crimes" das forças leais a Assad, numa guerra que devasta a Síria há cerca de sete anos.

Os ataques a civis "devem parar já", apelou o coordenador da ONU para ajuda humanitária na Síria, em comunicado.

"A situação humanitária dos civis no leste de Ghouta está totalmente fora de controlo, e é imperativo que esse sofrimento humano sem sentido seja interrompido imediatamente", disse o responsável.

Já esta segunda-feira, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, afirmou que a Rússia está disponível para ajudar a resolver a tensão em Ghouta, lembrando a experiência de libertação de Aleppo.

O governante russo culpou ainda os militantes da Frente Al Nusra, o antigo braço sírio da Al Qaeda, pela atual situação em Ghouta.

O conflito na Síria entra agora no seu oitavo ano e já fez mais de 300 mil mortos, provocando também a fuga de milhões de refugiados.