Síria: Curdos reforçam posições em Afrin

Síria: Curdos reforçam posições em Afrin
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A operação em curso há pouco mais um mês no enclave de Afrin, no noroeste da Síria, já provocou cerca de 500 mortos. Mais de 100 são civis

PUBLICIDADE

De norte para noroeste. A milícia curda das Unidades de Proteção Popular estacionada em Alepo está a caminho de Afrin para ajudar a travar a ofensiva turca. Uma movimentação que já permitiu ao regime sírio retomar o controlo de áreas que, até agora, se encontravam nas mãos de forças curdas no norte da Síria.

Ao lado das milícias curdas, a combater os turcos no enclave de Afrin estão, também, combatentes enviados por Damasco.

De acordo com o Observatório Sírios dos Direitos Humanos, a operação em curso no noroeste da Síria já provocou cerca de 500 mortos, entre eles mais de 100 civis.

Ancara nega a existência de civis entre as vítimas e crítica as declarações feitas por responsáveis norte-americanos.

"O porta-voz do departamento de defesa de um desses países, sem vergonha e sem pudor, disse que há civis a morrer em Afrin e que as pessoas não podem voltar para casa devido à violência. Isso é cruel, imoral e mostra que não se sente desconfortável com a morte, diária, de centenas de crianças, de mulheres e de idosos no leste de Ghouta. Mostra, sim, que está preocupado com a luta contra os terroristas e que espalhou notícias falsas" refere o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

As organizações internacionais de defesa dos direitos humanos garantem que há pessoas a morrer, diariamente, em Ghouta e em Afrin. Uma investigação da Human Rights Watch concluiu que a Turquia não conseguiu evitar a morte de civis no enclave curdo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bombardeamentos turcos contra milícias curdos faz pelo menos 20 mortos

Irão dispara mísseis contra consulado dos EUA em região curda do Iraque

Protesto contra adesão da Suécia à NATO