This content is not available in your region

Mortos turcos na ofensiva de Afrin já são 41 confirma ministro

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com Anadolu, Rudaw
euronews_icons_loading
Elementos do Exército Livre da Síria retiram um ferido na zona de Afrin
Elementos do Exército Livre da Síria retiram um ferido na zona de Afrin   -   Direitos de autor  REUTERS/Khalil Ashawi

Pelo menos oito soldados turcos foram mortos nos combates de domingo com milícias curdas nos arredores de Afrin, no noroeste da Síria.

A informação foi avançada pelas forças militares turcas, que já estarão sob controlo de 22 por cento do cantão curso no norte da Síria.

Após a tomada da última parte da fronteira esta semana, a Turquia controla 250 quilómetros da raia entre Jarablus, a oeste do Rio Eufrates , e o norte da província de Idlib.

Após este desenvolvimento, as forças turcas começaram a focar-se nas áreas urbanas e, em especial, nas cidades de Jandaris e Rajo, mobilizando também as forças especiais da polícia para garantir a segurança nos territórios conquistados pelas forças turcas e os aliados sírios.

Já esta sexta-feira, citado pela agência Anadolu, o ministro da Defesa turco elevou para 41 o número de soldados turcos mortos desde o início da operação "Ramo de Oliveira" , a vinte de janeiro, no noroeste da Síria.

A operação foi definida por Ancara como antiterrorista, mas tem no alvo, mais do que o grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico ("daesh"/ ISIL), as milícias curdas do YPG que também combateram os jihadistas na Síria, com apoio norte-americano, e que são visadas como aliadas do PKK, o grupo terrorista curdo da Turquia.

Nurettin Canikli adiantou também a morte de 116 combatentes dos aliados do Exército Livre da Síria. No lado dos rivais, o ministro turco da Defesa disse já terem sido "neutralizados" quase 2295 supostos terroristas ligados ao "daesh" ou às milícias curdas do YPG.

Às primeiras horas desta sexta-feira, a força aérea turca realizou um ataque a ocidente de Afrin, matando pelo menos 17 pessoas, incluindo elementos das milícias fiéis a Bashar al-Assad que chegaram a àquela cidade síria na semana passada para ajudar na defesa contra a ofensiva turca.