EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Congresso Nacional do Povo debate fim de limite de mandatos presidenciais

Congresso Nacional do Povo debate fim de limite de mandatos presidenciais
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É um dos eventos políticos mais importantes na China e este ano deverá ficar marcado pela decisão de remover a restrição ao número de mandados presidenciais

PUBLICIDADE

É um dos eventos políticos mais importantes na China e este ano deverá ficar marcado pela decisão de remover a restrição ao número de mandados presidenciais. O mundo está com os olhos centrados em Pequim na sessão plenária anual do Congresso Nacional do Povo, submetida ao Partido Comunista Chinês (PCC), que vai durar duas semanas.

Um dos pontos que mais suscitou interesse e que centram a abertura dos trabalhos, é a possibilidade de manter Xi Jinping na presidência por tempo indeterminado.

"Vamos de forma resoluta salvaguardar o estatuto fundamental do secretário geral Xi Jinping e a autoridade do comité central e a sua liderança centralizada e unificada". explicou Li Keqiang.

Tema importante é também a decisão do presidente norte-americano Donald Trump de implementar uma taxa de importação sobre o aço e o alumínio. A China é o principal exportador para os Estados Unidos. "

A China irá apoiar com firmeza a globalização, a economia livre e a proteção do comércio livre. Estamos prontos a trabalhar com todas as partes relevantes para fazer avançar nas negociações multilaterais de comércio e vai trabalhar para concluir em breve as negociações na Parceria Económica regional global e acelerar os esforços para construir a zona de comércio livre a Ásia pacífico e comunidade económica do leste asiático. A China apela para que os conflitos comerciais sejam resolvidos através de discussões justas, opõe-se ao protecionismo comercial e vai proteger com firmeza os seus direitos legais", explicou ainda o chefe de governo.

Pequim já antes tinha alertado de que não irá ficar de braços cruzados e que responderá à decisão de Trump de taxar as importações de aço em 25% e de alumínio em 10%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

China abre trabalhos do Congresso Nacional do Povo

Partido Comunista chinês elabora proposta para alterar Constituição

Comprar peças originais sem ir à falência: bem-vindos à feira de arte acessível de Hong Kong