Última hora

Lula da Silva perde novo recurso agora no Supremo Tribunal de Justiça

Perspetiva de Lula passar para detrás das grades ganha força
Perspetiva de Lula passar para detrás das grades ganha força -
Direitos de autor
REUTERS/Paulo Whitaker
Tamanho do texto Aa Aa

Lula da Silva viu recusado mais um recurso e está agora nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar começar já a cumprir a pena de prisão a que foi condenado por corrupção e branqueamento de capitais.

Esta terça-feira, a quinta turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou por unanimidade o pedido de "habeas corpus preventivo" solicitado pelos advogados do antigo presidente do Brasil para suspender a condenação, agravada já este ano de nove para 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da quarta região (TRF-4).

Lula da Silva foi considerado culpado da prática dos crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais por ter alegadamente recebido um apartamento de luxo no Guarujá como suborno da construtora OAS, uma das empresas implicadas na Operação Lava Jato.

Embora continue a liderar as sondagens para as presidenciais deste ano, Lula da Silva ainda não sabe se poderá ser elegível para tentar o regresso ao Planalto, a sede da Presidência, em Brasília, onde o militante do Partido dos Trabalhadores "residiu" entre 2003 e 2011 como 35.° Presidente do Brasil.

(Infografia realizada pelo jornal Globo)

Uma condenação retira Lula da corrida, mas há ainda recursos por analisar. O mais imediato, no STF, mas depois ainda os recursos apresentados no TRF-4, que deverão ser analisados ainda antes de entrarmos em abril.

A defesa do ex-presidente pode ainda questionar a decisão desta terça-feira do STJ ou solicitar um novo "habeas corpus" no mesmo órgão de justiça. A esperança de Lula em manter a candidatura à presidência resiste, a luta nos tribunais continua e a campanha também.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.