A Síria "parece um cenário da Idade Média"

A Síria "parece um cenário da Idade Média"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A entrevista com Volker Turk, o Alto-Comissário Assistente da ONU para os Refugiados.

PUBLICIDADE

Para falarmos da situação na Síria, dilacerada por uma guerra que começou há sete anos, a euronews convidou Volker Turk, o Alto-Comissário Assistente da ONU para os Refugiados.

euronews: Passaram 7 anos. Qual é o contexto que se vive neste momento?

Volker Turk: Trata-se de uma das maiores crises de refugiados do século 21. E não há uma solução à vista. Há mais de 5,5 milhões de refugiados nos países vizinhos. No interior da Síria, há mais de 6 milhões de pessoas que tiveram de abandonar as suas casas. Cerca de 3 milhões encontram-se em zonas de difícil acesso ou nos enclaves cercados, estão encurraladas. Há quem coma relva para sobreviver. Parece um cenário da Idade Média. É assim que as pessoas vivem no dia a dia na Síria e também fora, enquanto refugiados.

euronews: Há outras crises em curso, o Iémen é um exemplo bem conhecido também... Como é que o problema sírio se tornou tão grave?

VT: É uma crise que dura há muito tempo, afetando a vasta maioria da população síria, dos civis que vivem o horror da violência, das perseguições, que dependem das ajudas externas. Entre os refugiados na Jordânia, por exemplo, 80% vive abaixo do limiar da pobreza. Em algumas zonas do Líbano, 70% vive em condições de pobreza extrema. A maior parte das crianças nem sequer pode ir à escola.

euronews: As resoluções do Conselho de Segurança, as tréguas, as negociações, não produziram praticamente resultados. Qual é a realidade no terreno?

VT: Essa é uma das tragédias desta crise em particular. Três milhões de pessoas encontram-se em áreas de difícil acesso ou debaixo de cerco. Só conseguimos alcançar cerca de 27% dessa população no ano passado, o que significa que há muita gente que não está a receber a ajuda humanitária devida.

euronews: O movimento anti-imigração está a crescer na Europa. Isso tem-se demonstrado nas urnas. Muitos eleitores têm aderido ao discurso dos que exigem controlos rigorosos nas fronteiras, um reforço da segurança. O senhor tem contrariado esta visão, realçando que a segurança e a proteção dos refugiados são complementares. O que quer dizer com isso?

VT: Sempre que alguém entra num país, é crucial aplicar medidas de segurança para garantir a identificação dos que cometeram crimes, dos que não são simples civis. Mas posso garantir que os sistemas implementados pelos países neste momento são bastante robustos. O processo de pedido de asilo é um dos mais rigorosos que existe. Ou seja, as preocupações legítimas que as pessoas têm relativamente à segurança têm resposta através destes procedimentos. É importante realçar esta mensagem: os refugiados, entre os quais os sírios, que chegam à Europa, são pessoas que estão a fugir da violência, do conflito, do terrorismo. Trata-se de vítimas. Não são os culpados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar