Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Quem matou Marielle Franco?

Quem matou Marielle Franco?
Tamanho do texto Aa Aa

TV Globo diz que as balas que mataram a vereadora Marielle Franco e o seu motorista foram compradas pela Polícia Federal do Brasil.

Quem matou Marielle Franco? Continua a ser a pergunta que muitos cariocas, e não só, se colocam e demonstraram-no saindo para as ruas, quinta mas também já esta sexta-feira.

A polícia procura respostas. Para já a linha de investigação parte do pressuposto de que se tratou de um crime político, nada aponta para outro cenário. O de roubo foi descartado já que nada foi levado.

O Partido Socialismo e Liberdade, do que fazia parte a vereadora do Rio de Janeiro, promete não parar até que os culpados sejam encontrados e lança acusações à atuação do governo central:

"A gente está cobrando, com muita força, as autoridades. Está exigindo que o poder central do Brasil investigue, que apure. A gente quer que isso aconteça o mais rápido possível. O Rio de Janeiro está sob uma intervenção militar que, na nossa opinião, não vai resolver o problema de segurança do Rio de Janeiro. É uma medida de propaganda política do governo Temer.

A execução da Marielle é um exemplo de que essa intervenção não está a trazer resultados, nem trará, mas a gente não vai admitir que a morte da Marrielle não seja solucionada, e não se saiba tanto quem mandou como quem executou esse ato bárbaro esse crime que está marcando o Rio de Janeiro e a gente não vai deixar isso passar, não vai deixar isso passar", explica Honório Oliveira, dirigente do PSOL, no Rio de Janeiro.

Mas quem era Marielle Franco, a vereadora que representava, pela primeira vez, o Rio de Janeiro e que tinha sido uma das mais votadas nas últimas eleições:

"Foi uma ativista dos Direitos Humanos teve sempre uma postura muito intransigente em relação à defesa da população mais pobre, dos negros e negras, da população de favela e como vereadora não recuou nas pautas, ela seguiu sendo bastante combativa nas pautas que ela, que nós sempre defendemos", adianta o responsável político.

Marielle Franco, e o seu motorista foram assassinados na noite de quarta-feira, na viatura em que seguiam por ocupantes de uma outra que se colocou ao seu lado. A forma como tudo aconteceu leva a crer que a vereadora estivesse a ser seguida.

Mas este não é o primeiro caso de "execução" num país onde política e criminalidade andam de braço dado:

"O Brasil vive uma crise muito profunda. Aqui existe uma associação muito intima entre crime e política. E isso está inseminado na maioria das colorações partidárias, isso não é privilégio de um só partido. Com a crise económica esse quadro se agravou porque a crise económica impôs, ao Brasil, uma situação de crise que eu costumo chamar de crise perfeita: é uma crise social, económica, política e institucional também", refere Honório Oliveira.

O Exército não ajudou a impedir os dois assassinatos, ainda assim o presidente brasileiro diz que ele vai permanecer na cidade maravilhosa.

As reações à morte da ativista e política multiplicam-se:

A última luta de Marielle Franco: