Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Primeiro dia de presidenciais no Egito

Primeiro dia de presidenciais no Egito
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Espera-se que o presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sissi, vença sem problemas as eleições presidenciais desta semana, num escrutínio marcado por desistências e pelas acusações de repressão da parte dos membros da oposição.

O presidente al-Sissi, de 63 anos, é visto como um aliado pelos Estados Unidos, enquanto os vizinhos do mundo árabe o consideram fundamental para a estabilidade do país norte-africano.

As tensões que subsistem no Egito, desde 2011, deixaram mossas no tecido económico de uma das maiores economias da região, depois da quebra em setores fundamentais, como o turismo.

Em 2013, al-Sissi foi responsável pelo golpe que derrubou o Governo democraticamente eleito no Egito.

Em 2014, al-Sissi venceu as eleições com quase 97% dos votos, ainda que menos de metade dos eleitores tenha votado. Foi possível votar durante três dias.

Agora, a oposição, no entanto, descreve as eleições presidenciais como uma farsa.

Espera-se que o segundo candidato mais votado seja Moussa Mustafa Moussa, que muitos acusam de ser um fantoche do sistema.

Mustafa Moussa apresentou a candidatura quando faltava pouco tempo para o fim do prazo.

Uma oposição silenciada

Sami Anan, antigo líder militar e um dos principais opositores de al-Sissi, foi detido e impedido de apresentar-se às presidenciais, acusado de "candidatar-se sem a devida autorização".

A detenção de Sami Anan foi criticada pelas Nações Unidas e por diferentes grupos de Defesa dos Direitos Humanos, assim como por vários membros da oposição.

O presidente al-Sissi diz que não pretende, caso vença estas eleições, candidatar-se a um terceiro mandato, mas há quem diga que o chefe de Estado deverá eliminiar o limite de dois mandatos presidenciais atualmente em vigor no Egito.

Esta semana, mesas de voto estão também abertas durante três dias, o que não impediu o presidente al-Sissi de apelar à afluência às urnas, já que, para o chefe de Estado egípcio, o escrutínio constitui um referendo ao primeiro mandato.

Durante as primeiras horas, de acordo com a agência Reuters, a afluência era relativamente baixa. No entanto, é normal que, em dias úteis, os eleitores votem depois do almoço e mesmo depois do horário trabalho.