Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

China confirma visita de Kim Jong-Un

China confirma visita de Kim Jong-Un
Direitos de autor
REUTERS/Kim Hong-Ji
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de vários dias de rumores, China e Coreia do Norte confirmaram esta quarta-feira a viagem do líder coreano Kim-Jong Un a Pequim, onde se encontrou com o presidente chinês, Xi Jinping. Acompanhado da mulher Ri Sol-Ju, esta foi a primeira visita de Kim-Jong Un a outro país desde que subiu ao poder em dezembro de 2011.

Segundo a agência oficial de notícias norte-coreana KCNA, Kim Jong Un disse ao líder chinês que era seu "dever solene" que Pequim fosse o destino da primeira viagem ao estrangeiro, durante um banquete oferecido na segunda-feira pelas autoridades chinesas. Em jeito de retribuição, o dirigente norte-coreano convidou ainda Xi Jinping a visitar a Coreia do Norte, um convite que terá sido aceite de imediato, segundo a KCNA.

A visita ocorreu entre o último domingo e esta quarta-feira, divulgou a agência de notícias chinesa Xinhua, que avançou com a notícia na terça-feira.

O encontro vem normalizar a relação entre os dois aliados, após um período de tensão em 2017 com o apoio chinês às sanções internacionais ao regime norte-coreano.

De acordo com a agência de notícias chinesa Xinhua, Kim-Jong Un reiterou o compromisso da Coreia do Norte na desnuclearização da península coreana se o vizinho sul-coreano e os Estados Unidos mostrarem boa vontade.

Por sua vez, Xi Jinping enalteceu o esforço do aliado na melhoria das relações com a Coreia do Sul, assegurando uma "atitude construtiva" em relação a todas as partes.

Esta visita, que só foi oficializada depois do comboio em que seguia Kim-Jong Un ter atravessado a fronteira, surge antes dos importantes encontros do líder norte-coreano com os presidentes da Coreia do Sul e dos Estados Unidos da América, este último previsto para o mês de maio.