Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Guerra comercial" da China ataca eleitores de Trump

"Guerra comercial" da China ataca eleitores de Trump
Tamanho do texto Aa Aa

A China respondeu prontamente à imposição de tarifas nas importações chinesas por parte dos Estados Unidos e anunciou também um conjunto de novas tarifas a aplicar aos produtos norte-americanos. Medidas que devem afetar setores como a agricultura ou as indústrias automóvel e aeronáutica. No ano passado, a China teve um superavit na ordem dos 375 mil milhões de dólares, um número que Donald Trump quer reduzir para cem mil milhões: "Todos na China têm trabalhado muito e mostrado sinceridade na vontade de manter a comunicação neste assunto. Mas as melhores oportunidades de resolver este assunto de forma cordial foram todas perdidas", explica Geng Shuang, porta-voz do Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.

"A guerra comercial com a China foi perdida há muitos anos pelos tolos e incompetentes", disse Donald Trump no Twitter.

As tarifas são um golpe não só para os Estados Unidos, mas sobretudo para o presidente, já que afetam diretamente a cintura agrícola do país, que votou em massa em Trump. Enquanto as tarifas americanas se dirigem, sobretudo, a produtos tecnológicos, apoiados diretamente por programas estatais, a China parece agora visar uma grande parte da base eleitoral de Trump e por assim em causa uma eventual reeleição em 2020.