Última hora

Última hora

O percurso de Viktor Orbán

Em leitura:

O percurso de Viktor Orbán

O percurso de Viktor Orbán
Tamanho do texto Aa Aa

Uma das primeiras aparições públicas de Viktor Orbán ocorreu em junho de 1989. Num discurso em Budapeste, por ocasião do enterro de Imre Nagy e de outros mártires da Revolução Húngara de 1956 exigiu eleições livres e a retirada das tropas soviéticas.

O homem que em março de 1988 ajuda a fundar Fidesz assume quatro anos mais tarde a presidência do partido, substituindo a liderança coletiva assumida pelo conselho nacional desde a fundação.

Em 1998, a formação vence as eleições parlamentares com 42 por cento dos votos. Orbán forma uma coligação de sucesso e torna-se o mais jovem primeiro-ministro da Hungria após a queda do socialismo. Um cargo que ocupa entre 1998 e 2002.

As eleições de 2002 foram as mais conturbadas em mais de uma década com uma divisão político-cultural inédita no país e o grupo de Viktor Orbán acaba por perder as legislativas de abril.

A reviravolta acontece nas parlamentares de 2010. O Fidesz recolhe cerca de 53 por cento dos votos e a maioria de dois terços dos assentos permite a Orbán mudar a Constituição.

O euroceticismo, o populismo e o conservadorismo do político hungaro levou a fosse comparado a líderes como Recep Tayyip Erdogan, Marine Le Pen ou, mesmo, Valdimir Putin.

As alterações à Constituição em 2011 foram vista pela comunidade internacional como uma tentativa para centralizar os poderes legislativo e executivo e para restringir a liberdade de expressão. As políticas nacionalistas e protecionistas do homem que muitos designam de "autoritário" e até mesmo "ditador" acabaram, no entanto, por conquistar alguns conservadores europeus graças à crise dos refugiados.