Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

EUA, França e Reino Unido lançam ataque sem precedentes contra a Síria

U.S. President Donald Trump makes a statement about Syria
U.S. President Donald Trump makes a statement about Syria -
Direitos de autor
REUTERS/Yuri Gripas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Estados Unidos, França e Reino Unido lançaram esta sexta-feira à noite um ataque concertado na Síria contra locais de pesquisa ou armazenamento de armas químicas do regime de Bashar Al-Assad.

A ação militar envolveu raides aéreos e o lançamento de misseis a partir de navios estacionados no Mar Mediterrâneo.

De acordo com o Pentágono foram destruídos três alvos. Um centro de investigação cientifica perto de Damasco que seria usado para pesquisa e produção de armas químicas, dois depósitos com armamento químico em Holms e ainda um importante centro de comando.

A ação militar foi dada a conhecer ao mundo pelo Presidente dos Estados Unidos. Numa declaração a partir da Casa Branca, em Washington, Donald Trump justificou a ação militar com a urgência de acabar com as armas químicas na Síria para evitar ataques como o que aconteceu na semana passada, em Douma, na região de Ghouta.

Um ataque que terá feito pelo menos 75 mortos e que grande parte da comunidade internacional atribui a responsabilidade ao governo sírio.

Na declaração, Donald Trump acusou também a Rússia e o Irão de serem os principais fornecedores de armamento da Síria e lembrou a promessa feita, em 2013, por Vladimir Putin de acabar com as armas químicas na Síria. Trump diz que a promessa não foi cumprida e que agora o presidente russo tem de decidir de que lado está.

Moscovo já fez saber que a ação militar de Estados Unidos, França e Reino Unido terá consequências. Numa nota oficial, o embaixador russo em Washington disse que estes países não ligaram às advertências do Kremlin e que a responsabilidade das consequências deste ataque vai recair sobre Washington, Paris e Londres.

Numa declaração gravada, a primeira-ministra britânica justificou o envolvimento do Reino Unido nesta ação militar porque não se pode permitir o uso de armas químicas em lado nenhum do mundo. Theresa May confessa que preferia um caminho alternativo, mas com as opções diplomáticas esgotadas, um ataque era a única forma de dissuadir Assad a recorrer de novo a este armamento.

O Pentágono garante que o ataque foi planeado de forma a provocar o maior dano possível na capacidade de armamento químico do regime de Bashar Al-Assad, sem provocar baixas civis. O General Joseph Dunford revela também que houve uma preocupação em escolher alvos onde não estivessem forças militares russas.

A NATO já fez saber que apoia os Estados Unidos, França e Reino Unido nos ataques realizados esta sexta-feira à noite contra a Síria. Num comunicado, a Aliança Atlântica lembra que tiveram por objetivo reduzir a capacidade do regime sírio de fazer mais ataques químicos contra o próprio povo.

Desde o ínicio da guerra na Síria, em 2011, mais de 465 mil sírios morreram no confilto e 12 milhões foram obrigados a deixar as casas. Metade destes, cerca de 6 milhões, fugiram do país e vivem agora como refugiados.