Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ortega revoga polémica lei da segurança social

Ortega revoga polémica lei da segurança social
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A tensão reinava na Nicarágua depois do Governo de Daniel Ortega ter derrogado uma lei de reforma da segurança social que deu origem a violentos protestos nos últimos cinco dias.

"Vamos revogar, ou seja, cancelar e pôr de lado a anterior resolução (da reforma da segurança social) que deu origem a esta situação," disse o presidente Ortega num discurso transmitido pela televisão.

Durante o seu discurso, o presidente da Nicarágua disse também que não iria permitir que reinassem "o caos, o crime e as pilhagens" e que tudo faria para que que a lei e as instituições fossem respeitadas.

Morreram pelo menos 27 pessoas e mais de 100 ficaram feridas, enquanto foram registados motins e pilhagens, assim como ataques a edifícios públicos.

Este fim-de-semana, grupos de estudantes continuavam amotinados na Universidade Politécnica da Nicarágua, em Manágua, onde atearam fogo a pneus e a cartazes de publicitários.

Em declarações à agência EFE, os estudantes disseram não querer uma "política sandinista orteguista," enquanto se preparavam para enfrentar as forças de intervenção especial.

Violeta Granera, da Frente Ampla para a Democracia (FAD) " a questão da segurança social já não é o problema, mas a liberdade de expressão e a corrupção" na Nicarágua.

A FAD defende que a situação no país centro-americano apenas tem duas saídas: ou a renúncia de Ortega ou a convocação de eleições anticipadas, "livres e transparentes."

Para Margarita Vijil, do Movimento Renovador Sandinista (MRS), "o que fez Ortega não muda em nada a situação da Nicarágua," pois "os feridos continuam feridos, os jovens continuam presos e há mais 25 mortos (...) e continuam as exigências de justiça e pela liberdade de expressão e pelo direito a falar."