EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Demissão de Serge Sarkissian anima arménios

Demissão de Serge Sarkissian anima arménios
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As comemorações do aniversário do genocídio arménio decorrem um dia depois de vários dias de protestos que levaram à demissão do primeiro-ministro Serge Sarkissian

PUBLICIDADE

Nas ruas da capital arménia, Ierevan, os espíritos estão animados, depois da demissão do primeiro-ministro Serge Sarkissian e da libertação do líder da contestação antigovernamental. As comemorações do aniversário do genocídio arménio decorrem um dia depois de uma demissão que foi forçada por vários dias de protestos.

Não basta afastar Sarkissian, o governo tem de ser sustituído, dizem alguns:

“Conseguimos fazer o que não tinha sido possível nos últimos vinte anos. O que temos agora de fazer, em primeiro lugar, é substituir todos os membros do governo, porque a corrupção é um problema grave na Arménia e isso tem de mudar", explica um jovem.

"Livrámo-nos finalmente desses ...ditadores", diz Marin Uzunyan, uma dona de casa.

O ex-presidente era acusado de pretender manter-se de forma vitalícia no poder, ao ter conseguido ser eleito primeiro-ministro pelo Parlamento:

Sevak Tigranian, um economista, diz que está contente "por ele ter tomado a decisão certa e ter dado a autoridade ao povo.”

Armen Sukiasian, desempregado, diz que “O poder será entregue a outros e nós poderemos decidir do nosso futuro.”

Desde 13 de abril que decorriam protestos em Ierevan, para denunciar a intenção do antigo Presidente de permanecer no poder. Dezenas de pessoas ficaram feridas durante os confrontos entre a polícia e manifestantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU aprova resolução destinada a assinalar genocídio de Srebrenica

Primeiro-ministro da Escócia demite-se

Análise: “Por detrás da decisão de Sánchez está uma estratégia de preparação para as eleições”