Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Governo da Arménia admite ceder liderança a Nikol Pashinyan

Pashinyan assume-se como "o candidato do povo" e pode ser o eleito
Pashinyan assume-se como "o candidato do povo" e pode ser o eleito -
Direitos de autor
REUTERS/Gleb Garanich
Tamanho do texto Aa Aa

O partido no governo na Arménia promete não obstruir o deputado da oposição Nikol Pashinyan de se tornar primeiro-ministro interino do país se todos os partidos da oposição no parlamento o apoiarem para o lugar.

Mais de duas semanas de protestos na rua contra o governo do Partido Republicano levaram à demissão no início da semana passada do primeiro-ministro Serge Sarkissian.

Os republicanos chegaram a ter outro nome para a sucessão, mas recuaram e, à euronews, até já admitiram abrir a porta a Pashinyan, o deputado do Aliança Yelk que tem liderado as manifestações.

"Nós também vemos o apoio da opinião pública e do povo a Nikol Pashinyan. Isso dá-lhe bastante legitimidade para poder vir falar, acabar com esta situação e encontrar uma boa solução. Acho muito importante ouvir do único candidato ao cargo de primeiro-ministro, saber onde se posiciona sobre os principais problemas da Arménia. Queremos saber algumas das ideias do programa que propõe e qual a visão dele para sairmos desta situação", disse-nos Armen Ashotyan, vice-presidente do Partido Republicano da Arménia.

O nosso enviado especial a Erevan, Apostolos Staikos, também falou com o deputado do Yelk e candidato único ao cargo de primeiro-ministro interino sobre o aparente fim da batalha política na Arménia.

Perguntámos a Nikol Pashinyan como se sentia.

"Penso que o vencedor é o povo. O povo da Arménia. Os arménios apoiam a nossa ideia. A ideia de que precisamos de mudanças e de um novo governo no país. Se sim, os deputados republicanos devem votar no candidato do povo. A realidade é que nos últimos 20 anos tivemos sempre governos sem o apoio do povo. Governos em que o povo não acreditava. Por isso, até há pouco os arménios têm-se sentido desapontados e não acreditavam no futuro do país", referiu Pashinyan.

O candidato a primeiro-ministro e líder dos protestos mandou suspender as manifestações antigoverno esta segunda-feira e espera-se que ele vá falar aos deputados na Assembleia Nacional.

O nosso enviado especial a Erevan diz que "muitos esperam tornar-se, no Parlamento da Arménia, testemunhas de uma novela política repleta de suspense na escolha do novo primeiro-ministro."

"Nikol Pashinyan está um passo do governo. A ser eleito, a missão não será fácil porque terá de trabalhar com aqueles que até há pouco acusava de serem corruptos e obcecados pelo poder", conclui, em Erevan, o nosso jornalista Apostolos Staikos.