Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Estados Unidos mudam-se para Jerusalém

Estados Unidos mudam-se para Jerusalém
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Decorrem os últimos preparativos para a inauguração, na segunda-feira, da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém.

Quatro países da União Europeia vão participar na cerimónia: Áustria, República Checa, Hungria e Roménia. Do continente europeu, estarão ainda presentes a Albânia, Geórgia, Macedónia, Sérvia e Ucrânia.

Angola será o único país da CPLP a estar presente, uma das doze delegações africanas que aceitaram o convite, para além de Camarões, Congo, República Democrática do Congo, Costa do Marfim, Etiópia, Quénia, Nigéria, Ruanda, Sudão do Sul, Tanzânia e Zâmbia. Da Ásia, participarão Myanmar, Filipinas, Tailândia e Vietname.

A Guatemala e o Paraguai, que trasferem também as suas embaixadas de Tel Aviv para Jerusalém, estarão representados pelos respetivos chefes de Estado. Da América Latina, prometeram também presença a República Dominicana, El Salvador, Honduras, Panamá e Peru.

Criticada pela maioria da comunidade internacional como um gesto insensato que desestabiliza ainda mais o Médio Oriente, a decisão de Donald Trump é promovida pelo primeiro-ministro de Israel como uma receita para a paz.

"Apelo a todos os países para que se juntem aos Estados Unidos e transfiram as suas embaixadas para Jerusalém. Assim farão avançar a paz", disse Benjamin Netanyahu.

A participação de Donald Trump será feita através de vídeo, mas estarão presentes a filha do presidente americano, Ivanka Trump, e o genro, Jared Kushner.

Judeus e palestinianos participaram este sábado numa marcha de protesto em Jerusalém contra a transferência da embaixada americana.