Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Palestinianos enterram vítimas dos confrontos

Palestinianos enterram vítimas dos confrontos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Decorreu, esta terça-feira o funeral de Layla, a menina de oito meses que morreu, segunda-feira, durante os confrontos entre manifestantes palestinianos e soldados israelitas, perto da fronteira entre a Faixa de Gaza e o Estado judeu. As autoridades de Saúde de Gaza esclarecem que a sua morte se deveu à inalação de gás lacrimogéneo.

O que fazia uma criança no local onde aconteciam os confrontos é algo que ficará por contar mas que faz parte do dia mais sangrento no conflito israelo-palestiniano, em quatro anos:

"Fui à procura da minha filha e disseram-me que tinha sido levada para o hospital. Fui para o hospital e fiquei a saber que ela tinha morrido", conta Seham Ghandour, a mãe da pequena Layla.

"Eles não tiveram piedade de uma menina, atiraram gás contra ela, mataram-na com gás lacrimogéneo... não têm piedade das crianças nem de qualquer outra pessoa. Ela fez alguma coisa para morrer assim?" - Pergunta Fatma Al Ghandour, tia da bebé morta.

Pelo menos 60 palestinianos morreram nos confrontos de segunda-feira. Mais de 2200 ficaram feridos, muitos atingidos por balas verdadeiras:

"O que aconteceu foi um verdadeiro massacre, segunda-feira recebemos 500 feridos neste hospital, feridos principalmente nos membros inferiores, é 25 vezes mais do que a capacidade do hospital, este é um grande desafio com o qual temos de lidar, principalmente, tendo em consideração o grande número de lesões", explica o médico Ayman Al Sahabany.

Desde 30 de março, altura em que recomeçaram os protestos, morreu mais de uma centena de palestinianos, em Gaza. O início da semana foi, particularmente, complicado pela inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém que coincidiu com o dia considerado da "Catástrofe" pelos palestinianos.