Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Eletricidade como solução para frota pesada ainda é miragem

Eletricidade como solução para frota pesada ainda é miragem
Direitos de autor
REUTERS/Ueslei Marcelino
Tamanho do texto Aa Aa

Os carros elétricos estão a ganhar terreno no mercado de ligeiros, mas ainda se está longe de ter a reposta tecnológica para o setor do transporte pesado, essencial à economia europeia.

"Não existe um carro de emissões zero. São libertadas emissões de gases durante todo o ciclo de produção"

Neville Jackson Consultor em engenharia do ambiente

Contudo, a pressão para ter menos emissões de gases poluentes que causam danos ao planeta exige maior investimento e debate.

Este é um dos temas em destaque na Cimeira Europeia de Negócios, em Bruxelas.

"Na nossa frota de automóveis, a rotatividade é de cinco a dez anos. Já nos veículos pesados, tais como camiões e autocarros, há uma maior durabilidade. O que está em causa é a rapidez com que se substituem os veículos e penso que isso vai começar a acelerar a partir de 2020, em todas as frotas", explicou Nicola Shaw, responsável pela rede energética britânica.

Aplicar aos veículos pesados a lógica de usar baterias, em vez de derivados de petróleo, não é evidente do ponto de vista técnico, mas também do ponto de vista ambiental.

Essas baterias são feitas de matérias-primas que se esgotam, tais como lítio e cobalto.

"Não existe um carro de emissões zero. São libertadas emissões de gases durante todo o ciclo de produção, desde a extração de materiais, ao fabrico de peças, passando pela montagem e depois pela utilização do veículo. Temos que ter cuidado para não fazer transferência das emissões de uma das fases para a outra, acabando por não haver nenhuma diferença em termos de redução", advertiu Neville Jackson, consultor em engenharia e meio ambiente.

O problema agudiza-se com a falta de alternativas para os combustíveis líquidos nos transportes aéreos e marítimos, um enorme desafio na estratégia de transição para uma economia de baixas emissões de carbono.

É preciso pensar numa lógica diferente da atual, diz Ananth Krishnan, consultor em tecnologia automóvel: "Tem que se refletir sobre o que é realmente um risco. Todos queremos fazer o melhor para o planeta, que representa o risco de uma forma global, incluindo questões como recursos naturais, poluição, biodiversidade e assim por diante".

"Mas podemos evitar todo e qualquer risco? Devemos pensar de outro modo: se os recursos fossem abundantes e o custo da energia fosse zero, o nosso comportamento seria diferente do que é hoje? Faríamos algo de diferente? Esse é o ponto de partida para a inovação nos setores das tecnologias, transportes e meio ambiente", concluiu.