Última hora

Última hora

Fundo dos rios cobertos de plástico

Em leitura:

Fundo dos rios cobertos de plástico

Mulher com plástico retirado do fundo do rio
Tamanho do texto Aa Aa

No fundo do rio há um pouco de tudo até mesmo bicicletas, mas encontramos sobretudo plástico, muito plástico.

Foi isto que um grupo de jovens descobriu depois de dois dias a limpar o Dyle, o rio que atravessa a cidade belga de Wavre.

Os jovens retiraram do fundo do rio garrafas, plásticos e até pneus de automóveis.

O plástico é a besta negra de Anne-Laure e Marc. Desde há cinco anos que limpam o leito dos rios através da associação sem fins lucrativos "Aer Aqua Terra", que criaram quando estavam desempregados.

Anne-Laure Furnelle diz que "o plástico é uma catástrofe porque aqui, por exemplo, o rio é muito extenso e o fundo está completamente forrado a plástico. Plásticos que estão cheios de areia e plantas e formam dunas de plástico."

O plástico é também já o monstro dos oceanos.

Todos os anos, cem mil toneladas de plástico usado na União Europeia acaba no mar.
Representam 80 por cento de todos os resíduos.

E levam mesmo muito tempo a decompôr-se na Natureza.

Uma garrafa demora 500 anos, talheres de plástico cerca de 400 anos, um saco, 55 anos.

A Comissão Europeia apresentou agora uma bateria de medidas para combater o uso descontrolado do plástico de utilização única.

Algumas pessoas já começaram a mudar os hábitos de consumo, algo que nem sempre é fácil de fazer como revela Marie Wargny, gerente de uma loja cooperativa de Bruxelas.

"Tentamos reduzir o uso de plástico ao máximo, mas nem sempre é possível por causa dos produtos que vendemos. O esparguete, por exemplo, é muito complicado. Ainda não é um hábito enraízado, mas tentamos reduzir o plástico propondo a venda a granel e o máximo de recipientes reutilizáveis."

A consciencialização de limitar o uso do plástico já começou, mas ainda há um longo caminho a fazer.

Cabe a todos encontrar formas alternativas de transportar e consumir os produtos.