Última hora

Última hora

Governo do Ruanda defende patrocínio de €35M ao Arsenal de Londres

Em leitura:

Governo do Ruanda defende patrocínio de €35M ao Arsenal de Londres

Ruanda vai ser um dos patrocinadores dos "gunners" em 2018/19
@ Copyright :
Twitter/ @Arsenal
Tamanho do texto Aa Aa

Um apelo ao turismo no Ruanda vai surgir na próxima época futebolistica na manga esquerda dos jogadores do Arsenal de Londres. Tanto na primeira equipa masculina, como nos sub-23 e na equipa feminina dos "gunners."

O patrocínio terá uma duração de três anos, num negócio avaliado em quase 35 milhões de euros e está a gerar muitas críticas ao governo do Ruanda por parte de ativistas e de alguns dos doadores de um dos países mais pobres do mundo.

O governo do Ruanda desvaloriza a polémica e defende o investimento, que no terá sido aprovado pelos legisladores.

Os fundos terão vindo exatamente do setor do turismo, o mais rentável dos investimentos externos no país.

"As doações de ajuda ao país são específicas e tidas muito em conta no Ruanda", garantiu o ministro adjunto dos Negócios Estrangeiros.

O presidente do Ruanda, Paul Kagame, é também um confesso adepto do Arsenal, clube que se prepara para entrar numa era desportiva na Primeira Liga inglesa.

Os "gunners" terminaram uma longa era com o francês Arsène Wenger no clube e acabam de contratar para treinador o espanhol Unay Emery, ex-Paris Saint Germain, Valência e Sevilha.

O objetivo do governo do Ruanda com este negócio é promover o mesmo turismo que o financiou e duplicar as receitas do setor de 404 milhões para 800 milhões de dólares até 2024, lê-se num comunicado divulgado esta semana.

O negócio foi efetuado através do Gabinete da Convenção do Ruanda, uma subsidiária da Administração de Desenvolvimento do Ruanda e é destacado como o primeiro parceiro oficial nas mangas do arsenal.

O governo inclui o negócio com o Arsenal no plano Visão2050 e do EDPRS II para melhorar as infraestruturas de um país que é já classificado pela Associação Internacional de Congressos e Conveções como o terceiro país mais popular em África para este tipo de eventos.

Os críticos apontam o dedo também ao Arsenal por aceitar mais de 30 milhões de euros de um país com um alto índice de pobreza.