Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

EUA fora do Conselho de Direitos Humanos da ONU

EUA fora do Conselho de Direitos Humanos da ONU
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

"Os Estados Unidos estão oficialmente a retirar-se do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas". A embaixadora do país na ONU, Nikki Haley, confirma a saída de Washington do organismo.

Haley justifica o gesto com o facto de, segundo a diplomacia dos EUA, este conselho não fazer as reformas necessárias, servir de plataforma a países com um histórico de direitos humanos pobre, ou ainda pela posição tendenciosa relativamente a Israel.

Depois de abandonar o Acordo de Paris para as alterações climáticas e o acordo nuclear com o Irão, a administração Trump volta, assim, a sair de mais uma instituição internacional.

O Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas é constituído por 47 países, baseado na distribuição geográfica equitativa.

Os norte-americanos criticam o facto de a ONU aceitar membros como a China, Cuba e a Venezuela. Mas também a entrada, no último ano, da República Democrática do Congo.

Segundo a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, a RDC tem um dos piores registos de Direitos Humanos do mundo. "Mesmo após ser eleita membro do conselho, as valas comuns continuaram a ser descobertas no Congo", disse Haley.

"Um conselho assim, de facto, prejudica a causa dos Direitos Humanos. E claro, há ainda a questão do preconceito crónico contra Israel", diz Haley.

"No início deste ano, como aconteceu em anos anteriores, o conselho aprovou 5 resoluções contra Israel, mais do que o número total de resoluções aprovadas contra a Coreia do Norte, Irão e a Síria" afirma.

Haley referiu ainda que a saída dos Estados Unidos não significa a "retirada dos compromissos para com os Direitos Humanos". Porém, segundo a embaixadora, o país não pode fazer "parte de uma organização hipócrita e egoísta que ridiculariza" estes direitos.