Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Bulgária: “Aberta para o Negócio”

Bulgária: “Aberta para o Negócio”
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Bulgária. Um país que muitos investidores descrevem com a frase "open for business," aberta para o negócio. Fomos investigar por que razões as empresas estrangeiras estão a investir no país e como é que as empresas búlgaras estão a aumentar as exportações e a conquistar os mercados mundiais.

Sófia é uma capital européia moderna e vibrante, uma metrópole económica dos Balcãs. Em 2017, o produto interno bruto (PIB) da Bulgária foi de 50.4 mil milhões de euros enquanto o crescimento econômico atingiu os 3.6%. O investimento cresceu 3.8% e as exportações atingiram o valor de 25.8 mil milhões de euros. A Comissão Europeia prevê para o país um crescimento económico que ronda os 4% em 2018, e um aumento similar em 2019.

O desempenho económico actual deve-se ao esforço de reformas que deram origem a um clima empresarial favorável ao investimento. Algumas empresas viram a oportunidade de negócio muito antes da Bulgária se tornar uma história de sucesso económico. A Ubisoft, uma empresa francesa que produz jogos de vídeo, abriu o seu primeiro escritório em Sofia em 2006 e começou com apenas 11 funcionários.

O diretor geral da Ubisoft Ivan Balabanov comentou: “A Bulgária tem um nível educativo elevado. Temos também uma infraestrutura de tecnologias de informação (TI) muito boa, já para não falar de fatores macroeconómicos, como o regime fiscal e outras medidas governativas de apoio ao nosso setor. No setor de TI o mais importante são as pessoas. Sem profissionais qualificados, tudo o que temos é apenas um espaço, computadores e equipamento, nada mais. A maior parte do trabalho deve-se ao fator humano.”

Em todo o mundo, a Ubisoft emprega 12.000 pessoas de 94 nacionalidades diferentes. Os quadros em Sófia incluem profissionais espanhóis, italianos, americanos e, claro, muitos búlgaros. “Até ao presente foram criados 195 postos de trabalho e temos planos para crescer. Nos próximos 2 a 3 anos, esperamos ser pelo menos 300. Estamos a utilizar o talento local, tanto profissionais da área da tecnologia, como da área creativa e de desenvolvimento de conteúdos. Consideramos a Bulgária um bom destino para o crescimento da nossa empresa,” acrescentou Ivan Balabanov.

Fundada em 1998, a empresa búlgara Walltopia é a maior fabricante mundial de estruturas artificiais de escalada e exporta os seus produtos para mais de 50 países. Com uma unidade de produção própria na cidade de Letnitsa, situada a duas horas da sede da empresa em Sófia, e mais de 1800 projetos no palmarés, a empresa conta com mais de 600 profissionais em todo o mundo.

De acordo com Irina Staneva, gerente de investimentos da Walltopia, o sucesso da empresa resume-se em três palavras: paixão, produto e pessoas. “Nós fabricamos tudo internamente, não externalizamos a produção. Executamos todo o ciclo, desde a concepção passando pela engenharia e a arquitetura. Nós produzimos, transportamos e instalamos os nossos produtos. Assim, controlamos todo o processo e controlamos a qualidade em todas as etapas de fabrico, o que é muito importante para uma empresa que é global,” disse à Euronews.

A gerente de investimentos explicou as causas do investimento externo na Bulgária: “Não há muita burocracia na Bulgária, em comparação a outros países. Nós temos impostos baixos, 10% em tudo. Existem muitas empresas que estão a crescer de forma exponencial. E isso é bom não só para a economia mas também para as pessoas que querem ficar e viver cá, porque têm boas oportunidades profissionais.”