EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Griezmann, de Mâcon para a elite do futebol mundial

Griezmann, de Mâcon para a elite do futebol mundial
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews visitou a pequena cidade de Mâcon e conheceu um antigo treinador do jogador gaulês

PUBLICIDADE

Cidade de Alphonse de Lamartine, figura de proa de romantismo francês, Mâcon também deu ao mundo uma glória do desporto.

Antoine Griezmann, avançado do Atlético de Madrid e estrela da seleção francesa, mas com uma ligação especial a Portugal. É neto de Amaro Lopes, antigo jogador do Paços de Ferreira.

Foi em França, no Union du Football Mâconnais, que o treinador Bruno Chetoux ficou rendido ao talento de Griezmann.

"Vimos desde logo que se tratava de um grande jogador, com muita técnica. Acima de tudo jogava coletivamente, o que é raro na idade que tinha na altura. Se via um parceiro de defesa em apuros ajudava. Não era preciso dizer-lhe. Já tinha percebido o jogo", sublinhou, em entrevista à Euronews, o antigo treinador de Griezmann, Bruno Chetoux. Na altura o jogador tinha seis anos de idade.

Griezmann cresceu até se tornar numa lenda do futebol internacional.

"Houve uma temporada em que tivemos uma equipa muito boa. Tínhamos o Griezmann e outros jogadores. Vencemos toda a época. Mas perdemos o último confronto com um penálti. O Griezmann nem esperou pela apresentação do troféu. Foi para casa chorar. Estava desiludido", acrescentou Bruno Chetoux.

Em Mâcon ninguém esquece Griezmann que até empresta nome a um torneio local.

Manuel Terradillos, Euronews - "Dos que puderam ver Antoine Griezmann jogar quando era apenas uma criança aos mais jovens que apreciam os toques de bola agora que é uma estrela mundial. Em Mâcon todos apoiam a seleção francesa e em particular Antoine Griezmann."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Celebrações e violência mancham celebrações em França

França celebra enquanto Argentina faz as malas