A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Diretiva sobre direitos de autor enfrenta nova votação

Diretiva sobre direitos de autor enfrenta nova votação
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ao som das palavras do cantor Bob Marley "levanta-te e luta pelos seus direitos", um grupo de artistas protagonizaram, no Parlamento Europeu, uma ação de apoio à revisão da diretiva sobre os direitos de autor.

Nada vai ser censurado, tudo vai continuar disponível, mas queremos, também, receber um pouco mais de dinheiro

Eleanor McEvoy Cantora irlandesa

A proposta, que deverá ser votada em plenário, permite que os criadores recebam mais dinheiro das plataformas digitais ou os conteúdos de que são autores serão bloqueados.

A revisão é contestada pelas multinacionais do setor e há, mesmo, vozes que falam em censura.

"A última coisa que queremos fazer é censura. Sou uma artista. Pensa que poderia ser a favor da censura? A censura é a antítese do que estamos a fazer, não está no nosso ADN, somos a favor da liberdade de expressão. Nada vai ser censurado, queremos que tudo continue disponível. Mas queremos, também, receber um pouco mais de dinheiro pelo nosso trabalho", explicou, à euronews, Eleanor McEvoy, cantora irlandesa.

A proposta de revisão foi aprovada na comissão de assuntos jurídicos do Parlamento Europeu, sendo dois artigos, particularmente, polémicos porque impõem o uso de filtros e licenças que exigem pagamentos.

"Existem plataformas tais como o Youtube, Facebook e Instagram, que já usam filtros, mas esta lei vai tornar esses filtros na norma. Isso não é bom para consumidores, porque a experiência que têm tido com os filtros existentes não é boa. Agora, se tentarem descarregar algo, do Instagram, por exemplo, e se o conteúdo estiver protegido por direitos de autor, não poderão fazê-lo", explicou Agustín Reyna, consultor na BEUC (Organização Europeia de Proteção dos Consumidores).

A votação em plenário está marcada para 5 de julho, podendo levar à aprovação da revisão, ou à reabertura do debate para nova votação em setembro.