Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Acordo UE-Japão tenta travar escalada protecionista

Acordo UE-Japão tenta travar escalada protecionista
Direitos de autor
Koji Sasahara/Pool via Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

As empresas europeias vão poupar mil milhões de euros anuais em tarifas de exportação para o Japão. Este é um dos aspetos positivos do maior acordo de livre comércio já negociado pela União Europeia, que foi assinado com o Japão, terça-feira, em Tóquio.

Há preocupações no Japão quanto à credibilidade do presidente dos EUA e a UE é um marco da estabilidade

Fraser Cameron Diretor, Centro UE-Ásia

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, aproveitou a ocasião para enviar, também, "uma mensagem contra o protecionismo" dos EUA.

"O impacto do acordo de hoje vai muito além de nossas fronteiras. Juntos, com esta assinatura, fazemos uma declaração sobre o futuro do comércio livre e justo. Estamos a demonstrar que somos mais fortes e melhores quando trabalhamos juntos. Lideramos pelo exemplo e provamos que o comércio é sobre mais do que tarifas e barreiras, é sobre valores", disse, em conferência de imprensa.

Segundo o Conselho Europeu, o acordo tem potencial para aumentar as exportações da União Europeia para o Japão em 180% nos alimentos processados, 22% nos produtos químicos e 16% na maquinaria elétrica.

As duas partes reviram, também, o Acordo de Parceria Estratégica ao nível político, para melhorar a cooperação nos desafios de segurança e alterações climáticas, entre outros.

A União Europeia e o Japão tentam compensar a instabilidade geopolítica criada pelos EUA, tradicionalmente o maior aliado de ambas as potências.

"Há preocupações no Japão quanto à credibilidade do atual presidente dos EUA e, portanto, este e outros países asiáticos olham, agora, para a União Europeia como um marco da estabilidade no sistema internacional", explicou, à euronews, o analista Fraser Cameron, diretor do Centro UE-Ásia.

"A União Europeia tem muito a oferecer em termos de segurança, de experiência para resolver conflitos, incluindo sobre soberania em áreas marítimas, sobre ciberataques e assim por diante. Em termos da chamada influência discreta, a União Europeia e o Japão têm uma grande agenda para concluir juntos", acrescentou Fraser Cameron.

A União Europeia e o Japão também concordaram em reconhecer os sistemas de proteção de dados de cada parte como "equivalentes", criando a maior área do mundo de fluxos de dados seguros.