Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Portugal enfrenta menos incêndios

Portugal enfrenta menos incêndios
Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades portuguesas anunciaram esta terça-feira que 2018 é, para já, o quarto ano com menos fogos e o segundo com menos área ardida da última década.

O secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, diz que os bons resultados alcançados até ao momento mostram "a robustez dos meios presentes no terreno, nomeadamente no ataque inicial".

O Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR foi uma das forças que recebeu mais meios, nomeadamente 20 viaturas ligeiras de combate a incêndios, no passado dia 3, e foi reforçada com 500 efetivos.

"O acréscimo significativo do nosso efetivo, pelo menos em termos de eficácia e eficiência da nossa força, vem melhorar substancialmente. No entanto, não nos podemos esquecer que estamos integrados num sistema de proteção e socorro nacional, em que todas as entidades colaboram entre si e só com a ajuda de todos é que, efetivamente, conseguimos lidar com um problema tão grave como seja este dos incêndios florestais", realçou João Fernandes, capitão do GIPS.

Mas o verão ainda nem vai a meio e as temperaturas têm estado mais baixas do que o habitual.

No ano passado Portugal enfrentou incêndios trágicos em junho e outubro, que mataram mais de cem pessoas.

Para evitar nova tragédia, as fases de combate foram substituídas por níveis de prontidão, passando a haver um dispositivo permanente ao longo do ano e reforçado entre 15 de maio e 31 de outubro.

Em relação a 2017, o dispositivo de combate a incêndios conta, este ano, com mais mil operacionais, 400 viaturas e sete aeronaves.