Última hora

Segurança é prioridade na Volta à França

Segurança é prioridade na Volta à França
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os acidentes envolvendo espetadores são frequentes na Volta à França e a edição deste ano não é exceção. As quedas dos ciclistas por vezes causam ferimentos e lesões graves.

"Toda esta energia é absorvida pelo capacete"

Rémi Schaefer Técnico, Critt Sports and Recreation

Lawson Craddock, da equipa Education First-Drapac, caiu porque um espetador estava demasiado chegado à beira da estrada.

A Volta à França é acompanhada por quatro ambulâncias sob a responsabilidade de Florence Pommeria, diretora médica do evento. É ela que trata os arranhões e lesões resultantes de quedas.

Desde 2003 que os capacetes são obrigatórios. O capacete de Romain Bardet da equipa Ag2r é testado em laboratório a fim de atenuar o impacto em caso de queda.

Estes capacetes foram testados para uma velocidade de 20km por hora. Não se pode garantir a proteção total dos ciclistas nesta prova, a média é de 40km por hora.

"Toda esta energia é absorvida pelo capacete, é energia que não afetar a cabeça do ciclista", afirma o técnico Rémi Schaefer, da Critt Sports and Recreation.

Richi Porte, Chris Froome, Nairo Quintana são alguns dos nomes que já sofreram quedas nesta edição da Volta. Alguns, como é o caso de Vincenzo Nibali, tiveram que abandonar a competição.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.