Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Segurança é prioridade na Volta à França

Segurança é prioridade na Volta à França
Tamanho do texto Aa Aa

Os acidentes envolvendo espetadores são frequentes na Volta à França e a edição deste ano não é exceção. As quedas dos ciclistas por vezes causam ferimentos e lesões graves.

"Toda esta energia é absorvida pelo capacete"

Rémi Schaefer Técnico, Critt Sports and Recreation

Lawson Craddock, da equipa Education First-Drapac, caiu porque um espetador estava demasiado chegado à beira da estrada.

A Volta à França é acompanhada por quatro ambulâncias sob a responsabilidade de Florence Pommeria, diretora médica do evento. É ela que trata os arranhões e lesões resultantes de quedas.

Desde 2003 que os capacetes são obrigatórios. O capacete de Romain Bardet da equipa Ag2r é testado em laboratório a fim de atenuar o impacto em caso de queda.

Estes capacetes foram testados para uma velocidade de 20km por hora. Não se pode garantir a proteção total dos ciclistas nesta prova, a média é de 40km por hora.

"Toda esta energia é absorvida pelo capacete, é energia que não afetar a cabeça do ciclista", afirma o técnico Rémi Schaefer, da Critt Sports and Recreation.

Richi Porte, Chris Froome, Nairo Quintana são alguns dos nomes que já sofreram quedas nesta edição da Volta. Alguns, como é o caso de Vincenzo Nibali, tiveram que abandonar a competição.