EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ex-primeiro-ministro da Malásia na mira da justiça por lavagem de dinheiro

Ex-primeiro-ministro da Malásia na mira da justiça por lavagem de dinheiro
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Najib Razak foi acusado de três crimes de lavagem de dinheiro no âmbito de um escândalo de corrupção que envolve um fundo estatal. As irregularidades na gestão de fundos vieram a público pouco antes das eleições de 9 de maio e Razak acabou por ser substituído pelo antigo mentor Mahathir Mohamad

PUBLICIDADE

Najib Razak, o ex-primeiro-ministro da Malásia, voltou a declarar-se inocente perante o Supremo Tribunal, onde está a ser julgado.

Esta quarta-feira, o antigo chefe de Governo foi acusado de três novos crimes de lavagem de dinheiro relacionados com um escândalo de corrupção associado ao desvio do fundo estatal 1Malaysia Development Berhad.

O 1MDB foi fundado em nome do desenvolvimento económico e presidido pelo próprio Razak quando chegou à liderança do executivo em 2009.

Em causa estão três entradas de um total de 8,9 milhões de euros na conta bancária do ex-chefe de Governo oriundos de uma filial do referido fundo, a SRC International, que investigadores norte-americanos alegam ter sido pilhado por associados de Razak.

Parte do dinheiro terá sido alegadamente branqueada na compra de imóveis, iates, joias e obras de arte.

Apreendido em Bali pelas autoridades indonésias em colaboração com o FBI, o luxuoso iate "Equanimity" chegou recentemente à Malásia. Pertencia a Jho Low, um financeiro internacional sob suspeita e amigo próximo de ex-primeiro-ministro.

Cada acusação de lavagem de dinheiro é punível com uma pena máxima de 15 anos de prisão e um possível multa que pode chegar até cinco vezes a quantia recebida de forma ilegal.

Em julho, Najib Razak já tinha recebido quatro acusações, três de abuso de confiança e uma de abuso de poder.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Opositor de Orbán mobiliza milhares em manifestação anti-governo

Europol identificou as 821 redes criminosas mais perigosas da Europa

Novo inimigo político de Orbán divulga alegadas provas de corrupção